Livro: Quem Era Ela
Autor (a): J. P. Delaney
Editora: Intrínseca
Páginas: 336
ISBN: 978-85-510-0139-4
Sinopse: É preciso responder a uma série de perguntas, passar por um criterioso processo de seleção e se comprometer a seguir inúmeras regras para morar no nº 1 da Folgate Street, uma casa linda e minimalista, obra-prima da arquitetura em Londres. Mas há um preço a se pagar para viver no lugar perfeito. Mesmo em condições tão peculiares, a casa atrai inúmeros interessados, entre eles Jane, uma mulher que, depois de uma terrível perda, busca um ponto de recomeço. Jane é incapaz de resistir aos encantos da casa, mas pouco depois de se mudar descobre a morte trágica da inquilina anterior. Há muitos segredos por trás daquelas paredes claras e imaculadas. Com tantas regras a cumprir, tantos fatos estranhos acontecendo ao seu redor e uma sensação constante de estar sendo observada, o que parecia um ambiente tranquilo na verdade se mostra ameaçador. Enquanto tenta descobrir quem era aquela mulher que habitou o mesmo espaço que o seu, Jane vê sua vida se entrelaçar à da outra garota e sente que precisa se apressar para descobrir a verdade ou corre o risco de ter o mesmo destino. Com um suspense de tirar o fôlego e um clima de tensão do início ao fim, JP Delaney constrói um thriller brilhante repleto de reviravoltas até a última página. Uma história de duplicidade, morte e mentiras.

JP Delaney é o pseudônimo de um escritor norte-americano que já publicou, sob outras identidades, diversas obras de ficção. Quem Era Ela é seu primeiro thriller psicológico.

ANTES
   Desde que sofreram uma perturbadora tentativa de assalto — e talvez algo a mais que Emma não queria trazer ao sol —, ela e Simon buscam um novo recomeço, uma nova casa, um novo lugar onde possam ficar em paz e deixar para trás os fantasmas do passado. Quando o corretor apresenta a casa a Emma, a mulher acha o lugar extraordinário, maravilhoso, de tirar o fôlego e.... bem, palavras não fazem justiça a Folgate Street, nº 1, uma construção minimalista, baixa, pequena, controlada por um aplicativo e uma governanta digital e extremamente peculiar, mas que cobra um preço alto do inquilino que deseja morar nela. 
   O correto avisa: há cerca de duzentas exigências no total, quanto a permissões e proibições. Nenhuma luz com exceção das que já estão na casa. Nada de varais. Nada de lixeiras. Nada de pinturas. Nada de animais domésticos. Nada de descansos de copo ou jogos americanos. Nada de almofadas. Nada de bugigangas, nada de outros móveis... enfim, o contrato, tanto quanto a casa, é extremamente preternatural, mas o que preocupa e gera a maior parte dos problemas é a última exigência.



AGORA
   Quando a corretora conta a Jane que o próprio arquiteto da casa tem direito a veto e que, na verdade, precisa aprovar o inquilino, a jovem mulher pondera se vale a pena o esforço para morar em Folgate Street, nº 1. Sim, é claro que vale. Jane está encantada pela casa, que parece ser tudo o que ela precisa para recomeçar e esquecer que seu bebê morreu há apenas alguns dias. Mas é preciso responder a uma série de perguntas e esperar a resposta para saber se foi aprovada. 
   Poucos dias depois de preencher o formulário, Jane é convidada a se encontrar com Edward Monkford, o arquiteto da Folgate Street, nº 1 e acaba sendo aprovada na seletiva. Os primeiros dias na casa são maravilhosos para Jane, até que flores são deixadas em sua porta, com uma frequência irritante. No cartão apenas: Emma, vou te amar para sempre. Durma bem, minha querida. Jane começa a se perguntar quem era Emma e depois de muito investigar descobre que a inquilina anterior teve uma morte trágica e misteriosa em Folgate Street, e mais: ela se parece muito com Jane, tanto fenotipicamente quanto psicologicamente — já que ambas sofreram grandes traumas e buscavam um novo recomeço. 
   Quem era Emma? O que aconteceu com ela? Jane começa a sentir que está sendo observada. Folgate Street, que antes parecia um lar aconchegante, agora lhe soa assustadora. Como Emma, ela sente que algo terrível aconteceu e quando vê sua história se entrelaçar à da outra garota se apressa em descobrir a verdade ou corre o risco de também ser encontrada a beira da escada... morta. 

— As pessoas gostam de falar de recomeços. Mas só se pode recomeçar quando se parte do zero. O resto está maculado com o que já aconteceu. Talvez esta seja sua chance de um recomeço, Jane.



E o Memória Musical de hoje está cheio de ternura, amor e transparência. Os apaixonados por bons livros e por músicas vão adorar. Geralmente, trazemos músicas que de alguma forma nos fizeram lembrar de determinado livro, mas hoje o Memória Musical vai ser um pouquinho diferente. Estreou esse mês nas telonas brasileiras o longa A Cabana, adaptação do sucesso de William P. Young, que ganhou uma trilha sonora incrível, e é justamente ela que vamos trazer para vocês hoje.




1 - KEEP YOUR EYES ON ME – TIM MCGRAW & FAITH HILL.
A primeira música divulgada da trilha foi o dueto do casal mais famoso do country americano: Tim Mcgraw e Faith Hill. A música fala sobre manter os olhos em Deus quando a dor lhe cegar, fazendo uma alusão perfeita a tudo que é trabalhado no livro/filme. Afinal, as respostas que Mack encontra vão levar o protagonista a enxergar justamente isso: manter a fé em Deus mesmo quando tudo der errado.

2. LAY OUR FLOWERS DOWN – LADY ANTEBELLUM.
Lady Antebellum é uma de minhas bandas preferidas. Nem preciso dizer que fiquei extremamente feliz quando a vi na tracklist do filme, certo? Lay Our Flowers Down (Coloque Nossas Flores no Chão, em tradução livre) é uma das músicas mais bonitas e emocionante da trilha sonora de A Cabana, e fala, de certa forma, sobre superação e sobre como o amor pode nos elevar.


Olá, leitores! Bem-vindos a mais um post da coluna Quotes de Quarta, onde compartilhamos com vocês os melhores trechos dos livros que lemos. Espero que curtam os quotes de hoje:



"Creio que o amor seja como um pássaro: não nasceu para ser estático. Ele é livre, é  fugaz , e nos escapa entre os dedos sempre que pensamos em tê-lo dominado. Às vezes pousa em nosso ombro, às vezes foge de nós. Desse modo, se eu fosse definir em uma só palavra, diria que o amor é um momento". 
- Quando o Amor Bater à sua Porta (Samanta Holtz) 

"Às vezes a vida é estranha. Você só precisa aprender a lidar com a esquisitice dela e encontrar algumas pessoas igualmente estranhas que vão te ajudar a seguir em frente."
O Ar que ele Respira (Brittainy C. Cherry)

"O amor nem sempre é bonito , Tate. Às vezes você passa  tempo inteiro desejando que ele mude. Que melhore. E aí antes que perceba, você já voltou para a estaca zero e perdeu seu coração em algum lugar no meio do caminho". 
- O Lado Feio do Amor (Colleen Hoover) 

"O amor não vai encontrar espaço na minha vida. Não sou como você. Não sou sensível. Além de me dar um coice no traseiro terá de me amarrar e me bater para chegar ao meu cérebro".
- Escândalo de Cetim (Loretta Chase)


E pra começar um 2017 cheio de novidades, apresentamos nossa mais nova coluna: Li Até a Página 100 e..., uma espécie de Primeiras Impressões que antecederá as resenhas de vários livros lidos por nós. O escolhido de hoje é A Cabana: Guia de Estudos, guia para encontrar a cura para a perda, o trauma e a dor de William P. Young e Brad Robison.


PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100: “Lembro-me de quando Jon, o primeiro, nasceu.”

DO QUE SE TRATA O LIVRO: A Cabana: Guia de Estudos é um guia oficial para os fãs do livro que desejam um encontro cara a cara com Deus, trazendo reflexões instigantes e que nos fazem rememorar as melhores partes do romance de William P. Young.

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA?
Eu estou adorando a experiência. Faz com que um livro que já é completo se torne ainda mais profundo.

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL?
Bem, por ser um guia de estudos, não temos exatamente um personagem principal. Em A Cabana: Guia de Estudos, temos nós mesmos no papel do protagonista em busca da própria coragem e das maneiras de enfrentar as provações do mundo.

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:
“Se prestarmos bastante atenção, sempre conseguiremos descobrir alguma compensação no sofrimento.”

VAI CONTINUAR LENDO?
Continuarei lendo e, sem dúvidas, lerei em muitos momentos de minha vida.

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100:
“O que fazem podem afetar meu orgulho, mas não meu amor”.


No último dia 31, o serviço de streaming Netflix lançou sua mais nova série, 13 Reasons Why, adaptação do sucesso literário de Jay Asher. A trama narra os acontecimentos — mais especificamente os porquês — que levaram Hannah Backer a se suicidar e traz, nas entrelinhas, um poderoso lembrete da falta de compreensão e do modo como tratamos nossos colegas e amigos. A repercussão foi tamanha que a tag #NaoSejaUmPorque vem ganhando as redes e, inclusive, permaneceu por muitas horas no trendings do Twitter. Pensando no quanto os temas abordados em Os 13 Porquês são importantes na construção de pessoas melhores e mais cientes do modo como tratam as outras, listamos CINCO MOTIVOS para vocês assistirem 13 Reasons Why. Acompanhem:

1. É A ADAPTAÇÃO DE UM LIVRO DE SUCESSO. 
13 Reasons Why é a adaptação do romance de Jay Asher, best-seller que vendeu milhares de exemplares e permaneceu por incontáveis semanas na lista dos mais vendidos de várias revistas e jornais, como o The New York Times. Inclusive, com a ascensão da série, o livro já entrou novamente na lista dos mais vendidos do PublishNews, aqui no Brasil. 

2. TRAZ UM ALERTA IMPORTANTE.
A série do Netflix 13 Reasons Why tem sido destaque não só por seu enredo bem elaborado, como também por tocar em assuntos que hoje, embora ainda sejam tabus, merecem ser discutidos, tais como bullying, estupro e o suicídio. Como eu disse, é um lembrete poderoso sobre a falta de compreensão e que nos questiona a todo momento sobre como tratamos nossos amigos e colegas.

3. MUITO BEM CRITICADA.
Os fãs do livro, creio eu, não têm do que reclamar! Foi uma adaptação espetacular. Chego até mesmo a afirmar que ficou ainda melhor que o livro (que é maravilhoso!). Foi exatamente a abordagem de temas como o suicídio e o estupro que levaram a série a quebrar um novo recorde do Netflix. De acordo com estatísticas do Fizziology, a série foi tweetada por mais de 3,5 milhões de vezes só entre os dias 31 de março e 7 de abril. A série dobrou o recorde antigo que era mantido por Chasing Cameron, sendo essa tweetada por menos de 1,5 milhão de vezes. O marco faz de 13 Reasons Why, oficialmente, a série mais comentada nas redes sociais no ano de 2017, até então. Além disso, 13 Reasons vem recebendo inúmeras críticas positivas e possui um índice de 9.1 no IMDb.


E pra começar um 2017 cheio de novidades, apresentamos nossa mais nova coluna: Li Até a Página 100 e..., uma espécie de Primeiras Impressões que antecederá as resenhas de vários livros lidos por nós. O escolhido de hoje é Nós Dois, romance de Andy Jones. 


PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100:  "Então por que esse choro, hein?"

DO QUE SE TRATA O LIVRO: Em Nós Dois teremos a história de Fisher e Ivy. Eles se apaixonam em dezenove dias e começam a partir daí a construir sua história de amor. Até agora eles estão passando por problemas simples de um relacionamento ainda sem estabilidade. 

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA?
Várias coisas estão acontecendo. Como eles se apaixonaram muito rápido não tiveram tempo de se conhecer, então vários problemas estão surgindo na vida deles dois. 

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL?
Até agora estou gostando bastante. Fisher é nosso protagonista e toda a história é narrada sob o ponto de vista dele  outra coisa que está me agradando. Geralmente temos uma narradora  feminina , mas aqui Fisher que vai nos contando tudo. 

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:
"Nós nos beijamos pela manhã, mas algo se perdeu durante a noite - o sentimento de urgência, a eletricidade, a sensação de promessa... alguma coisa".

VAI CONTINUAR LENDO?
Quero muito continuar a leitura. Confesso que o inicio foi um pouco arrastado por causa da forma infantil que eles estavam levando o relacionamento, mas logo a história começou a criar um enredo firme e eu fui entendendo onde o escritor queria chegar. Estou louca para concluir essa leitura e ver a surpresa que o escritor está preparando. 

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100:
"Vocês só precisam lembrar que se amam. Eu sei que às vezes é mais fácil falar do que fazer. Mas esse é o truque, meu querido, lembrem-se de que vocês se amam.  Esther me lança um olhar duro. — Você me ama Ivy, certo? 
Faço que sim. " 


Olá, leitores! Bem-vindos a mais um post da coluna Quotes de Quarta, onde compartilhamos com vocês os melhores trechos dos livros que lemos. Espero que curtam os quotes de hoje:


“Há muitas hienas e abutres na sociedade. Não esperem muito dos grandes animais. Esperem deles, sim, incompreensões, rejeições, calúnias e necessidade doentia de poder. Não os chamo para serem grandes heróis, para terem seus feitos descritos nos anais da história, mas para serem pequenas andorinhas que sobrevoam anonimamente a sociedade amando desconhecidos e fazendo por eles o que está ao seu alcance. Sejam dignos de suas asas!".
— O Vendedor de Sonhos (Augusto Cury)

“O colapso da sociedade humana não deve vir como uma surpresa. Nós o causamos a nós mesmos.”
— Estilhaça-me (Tahere Mafi)

“A boa sorte é uma impostura. O verdadeiro sucesso exige sacrifício.”
— A Marca de Atena (Rick Riordan)

“Fatos são pedras durs e agir está me interessando mais do que pensar, de fatos não há como fugir.”
— A Hora da Estrela (Clarice Lispector)


Livro: O Mosaico e Outras Histórias
Autor (a): Nikolai Streisky
Editora: Chiado Editora
Páginas: 218
ISBN: 978-989-51-7147-7
Sinopse: O resultado foi um mosaico de pistas - pequenas singularidades, datas coincidentes, dias estranhos, histórias curiosas, como as narradas acima e muitas outras. A princípio, pensei em apenas colocar as informações sobrepostas na hyperwall e olhar um segmento por vez. Numa das primeiras noites após ser escalado para o caso, sonhei com uma raiz, que infinitamente crescia dentro da terra e subia aos céus.

Nikolai Streisky é graduado em Comunicação Social: Jornalismo e pós-graduado em fotografia pela Universidade Estadual de Londrina. Mestre e Doutorando em Tecnologias da Inteligência e Design Digital, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atualmente é professor de ensino superior.

   Os contos, apesar de não serem tão populares quanto os romances, têm um efeito muito grande sobre os leitores — principalmente pela construção que exige velocidade, brevidade e objetivos bastante claros. Em O MOSAICO E OUTRAS HISTÓRIAS, temos vários contos que demonstram justamente isso, e nos levam a rememorar os mais célebres escritores dos gêneros trabalhados por Streisky. Com histórias de ficção científica, investigação e horror cósmico, somos levados por meio de contos muito bem escritos, com uma linguagem que lembra os clássicos e que nos conduz por gêneros que são apresentados pelo autor com profundidade — tem até uma pitada de crítica distópica, hein?
   Em O MOSAICO, por exemplo, nos deparamos com uma conto policial, onde acompanhamos o detetive Augusto Albuquerque, que investiga um serial-killer conhecido como Assassino do Inverno. Como bem declara o autor, Arthur Conan Doyle e Edgar Allan Poe foram uma das principais inspirações, e percebemos isso claramente ao notar o quanto os contos policiais presentes no livro nos fazem lembrar das aventuras de Sherlock Holmes e da sagacidade do detetive Dupin.
   Os contos possuem uma ligação e uma possível continuação dos eventos narrados, ainda que funcionem perfeitamente bem isolados, e esse é um dos pontos mais interessantes de  O MOSAICO E OUTRAS HISTÓRIAS — o fato dos contos estarem, de certa forma, interligados torna a leitura mais ávida e prazerosa. 
   Depois de O MOSAICO, temos O LÓGICO, uma espécie de epilogo do primeiro conto, que se passa 10 anos depois e traz outro detetive (Charles Beirce) que trabalha independente e investiga as verdadeiras nuances do que aconteceu no conto anterior. Neste conto, para mim um dos melhores do livro, o autor explorou uma atmosfera que misturou incomumente o gênero policial e o horror cósmico, uma união perfeita entre Poe e Lovecraft, que junto a Robert Chambers, Ambrose Beirce e Jorge Luis Borges forma o batalhão de peso que serviu de inspiração literária para a composição dos contos.

“A questão aqui, como sempre, é a qualidade da observação. Nossa mente é tão bombardeada para ver o linear que, mesmo quando buscamos o caos, não conseguimos compreendê-lo como um sistema que depende do funcionamento conjunto de suas partes isoladas. O sistema só era um sistema enquanto funcionava”.


É inegável como um thriller é capaz de nos prender por horas, certo? Pensando nisso, a Arqueiro lança neste mês de Abril o suspense de estreia de Daniel Cole. Confiram abaixo a sinopse e a capa do livro:


Sinopse: O polêmico detetive William Fawkes, conhecido como Wolf, acaba de voltar à ativa depois de meses em tratamento psicológico por conta de uma tentativa de agressão. Ansioso por um caso importante, ele acredita que está diante da grande chance de sua carreira quando Emily Baxter, sua amiga e ex-parceira de trabalho, pede a sua ajuda na investigação de um assassinato. O cadáver é composto por partes do corpo de seis pessoas, costuradas de forma a imitar um boneco de pano. Enquanto Wolf tenta identificar as vítimas, sua ex-mulher, a repórter Andrea Hall, recebe de uma fonte anônima fotografias da cena do crime, além de uma lista com o nome de seis pessoas – e as datas em que o assassino pretende matar cada uma delas para montar o próximo boneco. O último nome na lista é o de Wolf. Agora, para salvar a vida do amigo, Emily precisa lutar contra o tempo para descobrir o que conecta as vítimas antes que o criminoso ataque novamente. Ao mesmo tempo, a sentença de morte com data marcada desperta as memórias mais sombrias de Wolf, e o detetive teme que os assassinatos tenham mais a ver com ele – e com seu passado – do que qualquer um possa imaginar. Com protagonistas imperfeitos, carismáticos e únicos, aliados a um ritmo veloz e uma deliciosa pitada de humor negro, Boneco de pano é o que há de mais promissor na literatura policial contemporânea.

“Boneco de pano é um livro viciante, com personagens maravilhosos e um serial killer totalmente imprevisível. É o melhor thriller de estreia que eu já li.” – Rachel Abbott, autora de Apenas os inocentes.

O livro deve chegar nas principais livrarias do país nas próximas semanas. Vocês não podem ficar sem ler mais este sucesso, hein? Boneco de Pano ganhará, em breve, uma resenha exclusiva no Palácio de Livros. Fiquem de olho!



Livro: Escândalo de Cetim 
Título Original: Scandal Wears Satin
Autor (a): Loretta Chase
Editora: Arqueiro
Páginas: 266
ISBN: 978-85-8041-639-8
Sinopse: Irmã do meio entre as três proprietárias de um refinado ateliê de Londres, Sophia Noirot tem um talento inato para desenhar chapéus luxuosos e um dom notável para planos infalíveis. A loura de olhos azuis e jeito inocente é na verdade uma raposa, capaz de vender areia a beduínos. Assim, quando a ingênua lady Clara Fairfax, a cliente mais importante da Maison Noirot, é seduzida por um lorde mal-intencionado diante de toda a alta sociedade londrina, Sophia é a pessoa mais indicada para reverter a situação. Nessa tarefa, ela terá o auxílio do irmão cabeça-dura de lady Clara, o conde de Longmore. Alto, musculoso e sem um pingo de sutileza, Longmore não poderia ser mais diferente de Sophia. Se a jovem modista ilude as damas para conseguir vesti-las, ele as seduz com o intuito de despi-las. Unidos para salvar lady Clara da desonra, esses charmosos trapaceiros podem dar início a uma escandalosa história de amor... se sobreviverem um ao outro. Em Escândalo de Cetim, segundo livro da série As Modistas, Loretta Chase nos presenteia com um dos casais mais deliciosos já descritos. Além de terem uma inegável química, Sophia e Longmore são divertidos como o rodopiar de uma valsa e sensuais como um corpete bem desenhado.

SÉRIE "AS MODISTAS"
    1.  Sedução de Seda
    2.  Escândalo de Cetim

  Loretta Lynda Chekani nasceu em 1949 numa família albanesa. Assim que aprendeu a escrever, passou a pôr no papel as histórias que inventava. Formou-se em Inglês pela Clark University, onde trabalhou meio período como professora, ao mesmo tempo que escrevia roteiros. Foi quando conheceu um produtor que a inspirou a publicar suas histórias. Os dois acabaram se casando. Com o sobrenome do marido, Loretta Chase vem publicando romances históricos desde 1987, pelos quais ganhou vários prêmios, inclusive o RITA, da Associação Americana de Escritores de Romances, por O Príncipe dos Canalhas.

   Em Escândalo de Cetim, iremos conhecer Sophia Noirot, dona de uma talento inato para desenhar chapéus e toda cheia de mistérios e disfarces secretos. Sophia é uma das Noirot, dona da Maison Noirot, o ateliê mais importante da sua região. Nossa jovem protagonista sempre coloca sua família em primeiro lugar, para ela suas irmas são seu bem mais precioso, e por isso Sophia vai fazer de tudo para que o Ateliê Maison Noirot não vá a falência. Esta difícil tarefa envolverá muitas coisas, uma delas é se aproximar de Lorde Longmore, irmão de Clara, sua principal cliente.
   Clara é uma jovem encalhada, que já recusou vários pedidos de casamento e está prestes a se casar com um pobretão que só está interessado em seu dote — muito gordo, por sinal. Por causa de uma armação por parte desse pretendente, Clara se mete numa enrascada e está sendo obrigada e julgada por toda a sociedade para que se case logo. De inicio, ela estava feliz com o casamento, mas depois que viu quem era seu noivo de verdade percebeu que ele só buscava seu grande dote. Se vendo julgada e muito pressionada por todos, Clara acaba fugindo para longe de sua família. 
   Conde Longmore tem a função de proteger sua irmã. Não estava nada feliz com o casamento obrigado, mas se vê desesperado com a fuga de sua amada Clara. Longmore é um mulherengo e garanhão — aquele famoso cavalheiro de nossos romances de época —, por esse motivo Sophia odeia o belo rapaz, e mesmo tendo uma quedinha por ele, sempre se irrita com suas atitudes e com sua burrice. No fim, os dois sabem que se sentem atraídos um pelo outro, mas preferem negar isso até a morte.
   Depois da fuga de Clara, Sophia e Longmore se unem para descobrir o paradeiro da jovem donzela. O conde com a responsabilidade de cuidar de sua irmã e a modista com o interesse de resolver os problemas da cliente, para que ela não se case com um pobretão e não deixe de comprar no Ateliê. Senhorita Noirot e Conde Longmore partem, então, as pressas para uma viagem em busca de Clara, mal sabendo das grandes aventuras e das muitas confusões que os esperam.

"Um dia, o amor vai surgir na sua vida e vai dar um coice no seu traseiro. E eu vou ficar olhando, rindo até não poder mais."


Traduzidos para 50 idiomas, os livros de Nicholas Sparks já venderam mais de 100 milhões de exemplares no mundo, e, recentemente, a Editora Arqueiro anunciou que o autor virá ao Brasil para divulgar seu mais novo lançamento: Dois a Dois. Confiram abaixo informações sobre a vinda do norte-americano ao Brasil e seu mais novo sucesso!

Sinopse: Com uma carreira bem-sucedida, uma linda esposa e uma adorável filha de 6 anos, Russell Green tem uma vida de dar inveja. Ele está tão certo de que essa paz reinará para sempre que não percebe quando a situação começa a sair dos trilhos. Em questão de meses, Russ perde o emprego e a confiança da esposa, que se afasta dele e se vê obrigada a voltar a trabalhar. Precisando lutar para se adaptar a uma nova realidade, ele se desdobra para cuidar da filhinha, London, e começa a reinventar a vida profissional e afetiva – e a se abrir para antigas e novas emoções. Lançando-se nesse universo desconhecido, Russ embarca com London numa jornada ao mesmo tempo assustadora e gratificante, que testará suas habilidades e seu equilíbrio emocional além do que ele poderia ter imaginado. Em Dois a dois, Nicholas Sparks conta a história de um homem que precisa se redescobrir e buscar qualidades que nem desconfiava possuir para lutar pelo que é mais importante na vida: aqueles que amamos.

 
“Dois a dois faz o leitor rir, chorar e refletir. Uma história comovente que fala não apenas do amor de um pai e uma filha, mas também do poder da família e da coragem que devemos buscar em nós mesmos quando enfrentamos o desconhecido.” – Booklist

A Arqueiro ainda vai confirmar os horários dos eventos (fiquem ligados nas redes da editora), mas já podemos esperar grandes emoções desses três encontros e, claro, de Dois a Dois! Quem aí já está ansioso (a) para ler?  O lançamento acontece no dia 03 de Abril. 


Olá, leitores! Bem-vindos a mais um post da coluna Quotes de Quarta, onde compartilhamos com vocês os melhores trechos dos livros que lemos. Espero que curtam os quotes de hoje:


“Voar com Daniel era algo de que Luce jamais se cansaria. Suas asas brancas se abriam no ar, batendo contra o céu da meia-noite enquanto eles se movimentavam com uma graça inacreditável. A umidade das nuvens formou gotículas no seu nariz enquanto os braços fortes de Daniel permaneciam ao seu redor, fazendo-a sentir-se mais segura do que em muito tempo".
— Paixão (Lauren Kate)

“— Talvez seja cedo demais ou tarde demais, porém, da mesma maneira que você fez comigo, eu quero te dizer: te amo. Não precisa acreditar, talvez seja uma bobagem, uma fantasia minha.”
— Verônica Decide Morrer (Paulo Coelho)

“O amor é uma tolice. Ele nos torna fracos, vulneráveis. O amor é uma ilusão passageira, fadada a terminar um dia. Só os imbecis se rendem  tais sentimentos O mor por si é o único amor verdadeiro, porque no fundo todos nós, homens, anjos ou demônios, somos egoístas ao extremo. Quando amamos alguém, é porque assim nos sentimos felizes e não o contrário.”
— A Batalha do Apocalipse (Eduardo Spohr)

“O medo mutila mais depressa do que qualquer implemento de guerra.”
— Anjos e Demônios (Dan Brown)


Livro: O Livro de Memórias 
Título Original: The Memory Book
Autor (a): Lara Every
Editora: Seguinte 
Páginas: 348
ISBN: 978-85-5534-017-8
Sinopse: Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever o livro de memórias: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.
  
Lara Every nasceu em Topeka e estudou no Macalester College. Autora de livros infantis e de mais duas obras de literatura jovem adulta — Anything But Ordinary e A Million Miles Away —, atualmente mora em St. Paul, Minnesota.

   Samantha McCoy vive numa casa simples com vários irmãos numa região montanhosa no norte dos Estados Unidos, mas nenhuma dificuldade a impediu de ser a melhor aluna de sua turma e o destaque do clube de debate da escola — até agora. O ano letivo está quase no fim e tudo parece bem encaminhado pra Sammie. Ela já foi admitida da NYU, a universidade ideal para conquistar seu sonho de morar em uma cidade grande e se tornar advogada, além de ter sido escolhida para representar a escola no torneio nacional de debate. Mas seu futuro grandioso fica em risco quando ela é diagnosticada com NP-C, uma doença genética incomum em adolescentes. Seus órgãos e músculos vão ficar fracos, mas o grande sintoma que a preocupa é a demência.
   Afinal, as limitações físicas não a impedem de ser uma grande intelectual, mas não ter controle do próprio cérebro é  o seu pior pesadelo. É assim que ela elabora a solução perfeita: escrever em seu notebook todas as lembranças essenciais para que, no futuro, possa se manter fiel aos seus objetivos. Só que Sammie nem imagina que algumas pessoas podem ocupar tantos capítulos em seu diário. A começar por Stuart, um jovem escritor prodígio que estudou em seu colégio e que sempre foi seu grande amor platônico.  Ele está de volta a cidade depois de uma temporada em Nova York, então essa é a chance de Sammie se aproximar e criar coragem para se arriscar no amor. Mas Stuart não é o único garoto a aparecer com frequência no livro de memórias.
  Cooper já foi o melhor amigo de Sammie, mas se distanciam por seguirem estilos de vida bem diferentes — ele se tornou o rei das festas enquanto ela focava nos estudos. Tempos depois de se desentenderem, parece que finalmente a amizade pode voltar a ser como era. Até a doença tomar cada vez mais conta do dia a dia de Samantha...
   Através dos registros sinceros de Sammie no diário e de postagens especiais de amigos e familiares, os leitores vão se apaixonar por uma garota corajosa que precisa aprender a viver quando a vida não sai exatamente como a gente espera.

  "Nossa maior glória na vida não é nunca cairmos, mas nos levantarmos sempre que isso acontecer".


Que as editoras vivem para nos surpreender isso vocês já sabem, hein? Mas já viram os lançamentos do mês de Março do Grupo Pensamento (Pensamento, Cultrix, Seoman e Jangada)? Não? Pois acompanhem o post abaixo. Nele trouxemos todos os lançamentos do mês das quatro editoras e já adianto: tem pro gosto de todo mundo! Aproveitem!

Sinopse: O padre polonês Krzysztof Charamsa, 44 anos, atualmente ativista dos direitos LGBT em Barcelona, ocupou os níveis mais altos da Igreja Católica. Revelar sua homossexualidade em outubro de 2015 foi apenas uma nova e difícil etapa em sua vida. A partir daí, Charamsa passou por muitas provações por assumir-se gay no seio de uma das instituições mais conservadoras do mundo. Neste livro, ele revela como os homossexuais são discriminados, reduzidos à condição de pervertidos, enquanto o clero católico, fortemente homofóbico, é ele próprio composto em grande parte por homossexuais. Esses homens acabam arando um terreno fértil onde germina a erva daninha vergonhosa da pedofilia e outros tipos de abusos. Escrita de forma clara, direta e emocionada, a obra promete estremecer os alicerces éticos de uma das instituições mais poderosas do mundo.

Sinopse: Temos mesmo livre-arbítrio? Como sabemos a diferença entre certo e errado? Se Deus existe, por que permite o sofrimento? O que é o tempo? Existe vida depois da morte? Perguntas como essas têm ocupado e perturbado as mentes mais brilhantes do mundo ao longo da história da civilização humana, provocando sempre muita discussão e debate. Neste livro curioso e visceral, Alain Stephen explora algumas dessas questões básicas. Ele explica todos os principais conceitos da filosofia, desde a Grécia Antiga até os grandes intelectuais da França do século XX. Com uma linguagem clara e livre de jargões, este livro propicia momentos de deleite e reflexão tanto para o pensador erudito quanto para qualquer pessoa que se interesse em filosofar sobre os grandes enigmas da vida.


Sinopse: O mundo parece estar enlouquecendo! Em toda parte, as pessoas começam a ter visões. Um adolescente francês assiste Joana D'Arc ser queimada na fogueira, e até tenta tirar uma foto com o celular, e a presidente dos Estados Unidos tem visões de seus antecessores dentro da Casa Branca. Ninguém sabe se essas misteriosas aparições são uma espécie de alucinação coletiva, uma doença virótica causada por bioterrorismo ou se são sinais do Apocalipse. Ocorrem suicídios em massa em várias partes do mundo, e o psiquiatra e neurocientista John Macbeth, à frente de um projeto para criar uma inteligência artificial autônoma, busca freneticamente uma resposta antes que seja tarde demais. Ele descobre que a verdade por trás de tudo pode mudar os rumos da humanidade para sempre. E até custar a sua vida. Uma história eletrizante que o fará questionar sua perspectiva da realidade. E até mesmo a sua sanidade.


E os fãs de Rachel Gibson têm muito o que comemorar! Isso mesmo, a Geração Editorial está lançando o mais novo livro da autora que conquista os corações dos leitores por onde passa. Confira abaixo a capa e a sinopse de Correndo Para Você:

Stella Leon é uma bela mulher. Aos vinte e oito anos ela já viveu muitas aventuras em Miami, onde vive e trabalha como garçonete. Brigas, sensualidade e rock’n roll fazem parte de sua rotina. Mas o que está prestes a acontecer colocará sua vida de pernas pro ar! Um homem misterioso (e lindo) está à sua procura. Ele traz notícias de um passado que Stella não quer lembrar, e para onde não pretende voltar de jeito nenhum. Por que ela deveria deixar tudo pra trás e ir com ele para o interior do Texas? Por algum motivo, Stella confia nele. Por alguma razão ela se sente totalmente quente perto dele.


O livro já está em pré-venda na Saraiva (clique aqui) e olha só a surpresa: basta comprar o livro na pré-venda da Saraiva Online, e enviar uma foto do livro assim que ele chegar, no e- mail imprensa@geracaoeditorial.com.br que você ganha inteiramente grátis um marcador do livro. A Geração tem apenas 100 marcadores disponíveis, garanta o seu!!


Oi, gente! Olha só quem, depois de dois anos de estagnação, voltou. Quem pensou na coluna "Quotes de Quarta", acertou em cheio. Para quem não lembra, a intenção é total e puramente de compartilhar com vocês trechos incríveis de nossos livros preferidos, certo? Então vamos lá!!


"A gente precisa aprender a caminhar, antes de correr.”


“Por pior que fiquem as coisas, sempre podemos nos renovar.”


"A vida é muito curta para julgar. Não é a sua função dizer aos outros o que sentem ou quem são. Por que não dedicar todo esse tempo a si mesma? Não sei quem você é, mas posso garantir que tem algumas questões que poderia trabalhar. (...) Quanto aos outros, lembrem-se: alguém gosta de você. Grande, pequeno, alto, baixo, bonito, comum, simpático, tímido. Não deixei ninguém dizer o contrário, nem você mesmo. Principalmente você mesmo."


Livro: O Livro de Moriarty
Título Original: The Book of Moriarty
Autor: Arthur Conan Doyle
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 414
ISBN: 978-85-8285-004-2
Sinopse: "O Napoleão do Crime". É assim que Arthur Conan Doyle define o professor James Moriarty, arqui-inimigo de Sherlock Holmes e um dos grandes vilões da literatura universal. Não há crime em Londres, do mais banal ao mais terrível dos assassinatos, do qual ele não tome parte. No entanto, na obra de Doyle, Moriarty aparece como uma sombra: raramente o protagonista de uma história, sempre atrás das cortinas, em breve menções alusões. Este volume reúne todas as histórias de Sherlock Holmes em que o professor dá as caras. São seis contos e um romance que mostram a construção deste que acabaria se tornando um modelo de vilão e o personagem mais emblemático de Doyle depois de seu rival Sherlock Holmes e de dr. Watson. Nas célebres palavras do detetive, "o jogo começou".

Arthur Conan Doyle nasceu em Edimburgo, Escócia, em 1859. Formou-se médico na Universidade de Edimburgo, onde um de seus professores, dr. Joseph Bell, inspirou seu mais famoso personagem, Sherlock Holmes, por sua incrível capacidade dedutiva. Sua primeira história foi publicada em 1879 sob pseudônimo e se chamada O Mistério de Sassassa Valley. Doyle acabou abandonando a carreira de médico e se dedicou à escrita, tornando-se famoso por suas histórias de investigação. O escritor recebeu o título de nobreza do Império Britânico em 1902 e faleceu em 1930.


    Sherlock Holmes é simplesmente o detetive mais conhecido da literatura mundial, sendo a fonte de inspiração para muitos romances policiais contemporâneos. Ele, ao lado de seu fiel amigo e parceiro de investigação, dr. Watson, vive grandes aventuras e enfrenta os maiores perigos da sociedade londrina. Mas há um perigo maior que todos os outros: James Moriarty, um célebre professor matemático que está por trás de todos os crimes enfrentados por Watson e Holmes durante todo o tempo em que eles atuam nessa área. Porém, além de perigoso, Moriarty está sempre oculto por muitas sombras e se torna um desafio pessoal para Holmes.
   Apesar de estar envolvido em uma teia de crimes, Moriarty é como um objeto de admiração particular para Holmes, pois, segundo o próprio detetive, ele tem um gênio brilhante — só assim para conseguir se livrar da justiça por tantos anos. As investigações policiais nunca chegam até ele e sempre que Holmes leva o assunto "Moriarty" à polícia de Londres, todos acham que essa ligação dos crimes com o renomado professor não passa de uma lenda criada pelo cérebro de Holmes. Mas o genial detetive sabe, em seu interior, que sua intuição não aponta nada mais que a verdade.
    A coletânea de contos mostra todas as histórias em que Moriarty aparece ou é citado — sempre de forma nebulosa, pois os fatos são sempre mostrados sob o relato de Watson. O livro já inicia com O Problema Final, que mostra a morte dos dois grandes inimigos. Logo em seguida, há mais cinco contos pós-morte de Holmes (na verdade, ele nunca morreu, apenas forjou a própria morte) em que ele resolve casos e se lamenta por não ter mais gênios à sua altura, como o era Moriarty, para enfrentar. Por fim, a coletânea inclui uma história que se divide em duas partes — O Vale do Medo.


    Sempre tive curiosidade de ler as histórias de Sherlock Holmes, escritas por Arthur Conan Doyle. As únicas histórias que li sobre o detetive vieram de outros escritores, como Neil Gaiman (em seu livro Alerta de Risco, já resenhado aqui, há um conto que mostra a "aposentadoria" de Holmes). Ler sob a autoria de Doyle traz uma perspectiva totalmente diferente ao personagem e um entendimento muito mais abrangente. Os filmes e a série sobre o detetive mais famoso do mundo têm suas próprias peculiaridades e nunca são totalmente fiéis às histórias originais. Por isso, ter lido O Livro de Moriarty trouxe um novo sabor, cheio de originalidade.
   O narrador oficial das histórias de Holmes é seu leal amigo, dr. Watson, que é como a personificação de Doyle — um médico dedicado à escrita. Ele mantém uma narrativa lenta e detalhada, que parece ser mais em terceira pessoa que em primeira, tendo em vista que o narrador é um personagem secundário, não o protagonista. Dessa forma, os focos são voltados para Holmes com a visão de Watson. Os diálogos costumam se arrastar, constituindo falas densas.


"Meu bom e velho Watson! Você é o único ponto fixo em uma era de constante mudança. Sim, meu amigo, o vento leste se aproxima, e será o mais forte vendaval a jamais varrer a Inglaterra. Será uma tempestade fria e implacável, Watson, e muitos de nós devem tombar antes da última lufada. Mas, por mais tormentoso que seja, esse é o vento de Deus; e, quando a tormenta passar, a luz do sol brilhará sobre uma terra melhor, mais pira e mais forte" (p. 163).


Ainda dá tempo: Matricule-se na faculdade com desconto de até 70% 
Quero Bolsa oferece bolsa de estudos de até 70% para quem quer entrar na faculdade ainda nesse semestre

Quem já decidiu começar a faculdade para dar um upgrade no currículo não precisa esperar até o segundo semestre de 2017 para iniciar as aulas. Ainda dá tempo de começar um curso superior neste semestre com redução de até 70% no valor das mensalidades. O Quero Bolsa, site de bolsas de estudo e comparação de faculdades, está com bolsas disponíveis até o final de março para alunos que queiram ingressar no ensino superior ainda no primeiro semestre de 2017. Há opções de cursos em todas as áreas do conhecimento, em mais de 900 instituições de ensino superior em todo o País, incluindo algumas das melhores faculdades e universidades particulares do País, como Estácio, UNIP e Anhanguera.


Hoje nós viemos apresentar para vocês uma campanha super bacana e que, sem dúvidas, merece a atenção e o apoio de todos nós. A Trasgo é uma revista online que em três anos já publicou contos de mais de 60 autores e autoras brasileiros. Agora os editores da revista querem transformar o material publicado no primeiro ano da revista em um livro físico, e para isso precisarão de todos nós.

O Livro Trasgo - Ano 1 é a primeira experiência com um livro impresso da revista. Traz todos os contos publicados nas edições 1 a 4 da revista online, além de três contos exclusivos, escritos por nossa equipe. O livro terá cerca de 376 páginas. São 26 contos incríveis de ficção científica e fantasia, 3 deles inéditos, e um prefácio escrito por um dos maiores autores da ficção científica do Brasil.

Você, que deseja financiar e apoiar esse projeto que, sem dúvidas, merece ser levado adiante, clique aqui e saiba mais. 


E pra começar um 2017 cheio de novidades, apresentamos nossa mais nova coluna: Li Até a Página 100 e..., uma espécie de Primeiras Impressões que antecederá as resenhas de vários livros lidos por nós. O escolhido de hoje é E Viveram Felizes Para Sempre, romance de época de Julia Quinn.


PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100: — Eu sei. — Os lábios de Eloise tremeram, e então seu rosto assumiu aquela expressão de alguém que está tentando parecer valente e realmente acha que está conseguindo. — Eu sei — repetiu ela, um pouco mais tranquila. — É claro que não diminui o meu prazer em vê-la. 

DO QUE SE TRATA O LIVRO: Julia (maravilhosa) Quinn concedeu a seus leitores um epílogo extra para cada livro de Os Bridgertons. Todo leitor se pergunta: e depois, o que aconteceu? Julia respondeu essa pergunta em cada epilogo extra. E Viveram Felizes Para Sempre é a história que vem depois da história 

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA?
Julia continua magnífica — como sempre. Está sendo um leitura super nostálgica e envolvente. Eu como leitora voraz estou super feliz em saber como esta a vida de meus queridos personagens. 

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL?
Por ser um livro de contos, não há exatamente um personagem principal, mas uma série de personagens, mas cada irmão vai aparecendo um pouco na história do outro. Como sabemos, os Bridgertons são bem unidos, então em cada conto contamos com as participações especiais de outros membros da família. 

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:
''Ainda melhor ela gostava de si mesma. O que era mais importante do que ela jamais percebera''.

VAI CONTINUAR LENDO?
Já estou quase terminando — sou dessas! 

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100: "Ainda mais do que a própria família, Eloise a amara." 


Neste dia 08 de março, a Editora Intrínseca convidou seus blogs parceiros para falarem sobre o Dia Internacional da Mulher, uma data extremamente importante e que merece toda a atenção possível. Além de buscar fomentar uma reflexão de que o Dia Internacional da Mulher não é apenas no dia 08 de março, mas, sim, todos os dias, traremos também algumas observações sobre Gillian Flynn — autora do gênero suspense —, criando uma alusão geral entre as mulheres que lutaram e continuam lutando por seus direitos e as sagazes heroínas que ganham vida em livros como Garota Exemplar e O Adulto.

CONHECENDO GILLIAN FLYNN.
Gillian Flynn é jornalista e, antes de se dedicar integralmente à carreia de escritora, trabalhou por dez anos como crítica de cinema e TV para a Entertainment Weekly. Nascida nos Estados Unidos, formou-se pela Universidade do Kansas, escreveu durante dois anos para um revista de negócios na Califórnia e cursou o mestrado na Northwestern University, em Chicago. Gillian Flynn também é autora dos premiados Objetos Cortantes, Lugares Escuros e Garota Exemplar, que soma mais de 10 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo e deu origem ao filme de mesmo nome dirigido por David Ficher e estrelado por Ben Affleck e Rosamund Pike. Seus livros foram publicados em vinte e oito países. Atualmente Gillian mora em Chicago com o marido e o filho. 

FLYNN E O PODER DA MULHER NA FICÇÃO.
"Em todo caso, ou eu estava ferrada ou não estava ferrada, portanto escolhi acreditar que não estava. Eu tinha convencido muita gente de muitas coisas ao longo da vida, mas esse seria meu maior feito: convencer a mim mesma de que o que estava fazendo era razoável. Não decente, mas razoável."
   
   Como perceberam, Gillian Flynn não é qualquer uma. Num universo editorial onde o gênero masculino é mais recorrente — J. K. Rowling abreviou o nome para que as editoras não soubessem de cara a que gênero sexual ela pertencia — e a mulher é, em muitos casos, marginalizada, a americana — com mais de 10 milhões de exemplares vendidos e duas adaptações cinematográficas de sucesso — não deixou que a estreiteza do mundo das mulheres a afetasse e rasgou o papel de parede que a prendia (O Papel de Parede Amarelo).


E pra começar um 2017 cheio de novidades, apresentamos nossa mais nova coluna: Li Até a Página 100 e..., uma espécie de Primeiras Impressões que antecederá as resenhas de vários livros lidos por nós. O escolhido de hoje é Escândalo de Cetim, romance de época de Loretta Chase. 


PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100: "O tempo ficou realmente ruim, e bem depressa. O vento ganhou força de maneira que nem mesmo a lona conseguia protegê-lo por completo da chuva." 

DO QUE SE TRATA O LIVRO: Escândalo de Cetim é o segundo livro da série As Modistas, da autora Loretta Chase. Um romance de época bem diferente daqueles que estou acostumada a ler. Aqui iremos conhecer Sophia Noirot e Harry Longmore.

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA? 
Confesso que as primeiras 50 páginas foram arrastadas, mas logo depois ficou bem engraçado e envolvente. Sou apaixonada por romances de época e está sendo minha segunda experiência com a escrita de Loretta, uma escritora que me ganhou pela simplicidade e por seus personagens que fogem do padrão (clichê). 

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL? 
Sophia Noirot é a senhorita mistério e super engraçada. Tem um lado mocinha — recorrente nos romances de época —, mas ao mesmo tempo foge do padrão indefesa e mimada. Harry Longmore divide esse papel de protagonista com Sophia, ele é aquele famoso personagem de romances de época: lindo, maravilhoso, charmoso e claro — porque não pode faltar —, o mulherengo do pedaço. 

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:
''O amor não vai encontrar espaço na minha vida. Não sou como você".

VAI CONTINUAR LENDO?
Sim, claro ou com certeza? Já estou terminado .

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100: 
"Quanto mais longe chegava, mais escuro ficava o caminho. Ele foi desacelerando aos poucos e, finalmente, parou".


Livro: Juntando os Pedaços
Título Original: Holding Up The Universe
Autor (a): Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Páginas: 392
ISBN: 9788555340246
Sinopse: Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar todas as peças do quebra-cabeça para gravar na memória. Então ele usa marcas identificadoras, como o cabelo, a cor da pele, o jeito de andar e de se vestir, para tentar distinguir seus amigos e familiares. Mas ninguém sabe disso — até o dia em que ele encontra a Libby. Libby é nova na escola. Ela passou os últimos anos em casa, juntando os pedaços do seu coração depois da morte de sua mãe. A garota finalmente se sente pronta para voltar à vida normal, mas logo nos primeiros dias de aula é alvo de uma brincadeira cruel por causa de seu peso e vai parar na diretoria. Junto com Jack. Aos poucos essa dupla improvável se aproxima e, juntos, eles aprendem a enxergar um ao outro como ninguém antes tinha feito.

Jennifer Niven é autora de quatro romances para adultos - American Blonde, Becoming Clementine,Velva Jean Learns to Fly e Velva Jean Learns to Drive -, três livros de não ficção - The Ice Master, Ada Blackjack e The Aqua Net Diaries -, um livro de memórias sobre suas experiências no ensino médio e Por Lugares Incríveis, best-seller do New York Time. Apesar de ter sido criada em Indiana, hoje vive com o noivo e três gatos em Los Angeles, seu lugar preferido para andanças.

   Todo mundo acha que conhece Libby Strout, a garota apelidada pela mídia de Adolescente Mais Gorda dos Estados Unidos. Mas ninguém se deu o trabalho de enxergar além de seu peso e conhecer quem ela realmente é. Desde a morte de sua mãe, Libby passou um bom tempo dentro de casa, lidando com o luto do pai e com seu próprio sofrimento. Mas agora ela está pronta para encarar o ensino médio, aprender a dirigir, fazer novos amigos, talvez até se apaixonar. Num ambiente cheio de rótulos e panelinhas, ela já sabe qual papel quer interpretar: o da garota que pode e vai fazer qualquer coisa.
   Da mesma forma, todos acham que conhecem Jack Masselin. O garoto tem estilo e atitude, circula entre todos os grupos, é popular entre os colegas. Mas Jack guarda um segredo: ele não consegue reconhecer o rosto das pessoas. Até os irmãos e os pais são estranhos para ele. Seu próprio rosto no espelho é irreconhecível. Para tentar, no mínimo reconhecer as pessoas, Jack precisa decorar o jeito de andar de cada um, os gestos, a voz ou qualquer outra marca identificadora. Seu principal passatempo é desmontar e construir coisas no porão de casa, mas ele não consegue entender o funcionamento do próprio cérebro. 
   Então, para se defender, Jack é simpático com todo mundo, sorri e acena para qualquer um... sem nunca desenvolver uma relação profunda com ninguém. Um dia, o garoto se sente pressionado pelos amigos a fazer uma pegadinha horrível com Libby, e os dois são mandados para a sala da diretora. A sentença? Dias de detenção e terapia em grupo, para ambos. Entretanto, quanto mais tempo passam juntos, menos Jack e Libby se sentem sozinhos. E o que começa como uma punição logo se torna uma amizade e talvez algo mais... Mas Jack e Libby só estarão prontos para um relacionamento quando tiverem curado suas próprias cicatrizes, da mesma forma que só me encontrei pronto a fazer essa resenha três meses após a leitura. Juntando os Pedaços, em suma, é um livro simples, mas é extremamente sensível e poderoso. Qualquer um, após ler, terá dificuldade em juntar seus próprios pedaços  — ou não!

"Às vezes as pessoas simplesmente fazem merda. Às vezes porque estão com medo. Às vezes elas escolhem fazer merda com os outros antes que possam fazer merda com elas. É uma forma de autodefesa de merda."


Que a DarkLove (selo da DarkSide Books) só lança livros lindos e apaixonantes, vocês já sabem, certo? Mas já estão sabendo do próximo lançamento da editora? Caso não estejam, está na hora de abraçarem essa história! 💘Confiram a capa e a sinopse: 

A Guerra que Salvou a Minha Vida, de Kimberly Bradley
Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando.Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor.
Kimberly Brubaker Bradley consegue ir muito além do que se convencionou chamar “história de superação”. Seu livro é um registro emocional e historicamente preciso sobre a Segunda Guerra Mundial. E de como os grandes conflitos armados afetam a vida de milhões de inocentes, mesmo longe dos campos de batalha. No caso da pequena Ada, a guerra começou dentro de casa.Essa é uma das belas surpresas do livro: mostrar a guerra pelos olhos de uma menina, e não pelo ponto de vista de um soldado, que enfrenta a fome e a necessidade de abandonar seu lar. Assim como a protagonista, milhares de crianças precisaram deixar a família em Londres na esperança de escapar dos horrores dos bombardeios.

   Combinando a ternura de Em Algum Lugar Nas Estrelas, outro título da coleção DarkLove, com a realidade angustiante de O Diário de Anne Frank, A GUERRA QUE SALVOU A MINHA VIDA apresenta uma perspectiva da Segunda Guerra Mundial vista pelos olhos de uma menina que se transforma em refugiada no seu próprio país. Mais uma oportunidade perfeita para emocionar corações de todas as idades e relembrar os valores do companheirismo e da amizade em todos os momentos da nossa vida. Vencedor do Newbery Honor Award, primeiro lugar na lista do New York Times e adotado em diversas escolas nos Estados Unidos.


Livro: Cinquenta Tons Mais Escuros
Título Original: Fifty Shades Darker
Editora: Intrínseca
Páginas: 512
ISBN: 978-85-510-0108-0
Sinopse: Edição especial com fotos e comentários de E L James sobre os bastidores da aguardada sequência cinematográfica de Cinquenta Tons de Cinza e um trecho antecipado de Cinquenta tons mais escuros pelos olhos de Christian, próximo romance da autora. Assustada com o lado obscuro do belo e atormentado Christian Grey, Anastasia Steele põe um ponto final em seu relacionamento com o jovem empresário e decide se concentrar em sua carreira: ela acaba de conseguir um emprego em uma editora de livros de Seattle. Mas o desejo que sente por Christian ainda domina seus pensamentos e, quando ele propõe reatarem o namoro, ela não consegue resistir. Por amor a Ana, Christian está disposto a enfrentar seus demônios interiores. Em pouco tempo, porém, ela descobre segredos do passado de seu amargurado e dominador parceiro que jamais imaginou serem possíveis, e se vê obrigada a tomar uma importante decisão.

TRILOGIA “CINQUENTA TONS DE CINZA”.
    1.  Cinquenta Tons de Cinza
    2.  Cinquenta Tons Mais Escuros
    3.  Cinquenta Tons de Liberdade

TRILOGIA “GREY”.
    1.  Grey

E L James é ex-executiva de TV e mora em Londres. Casada e com dois filhos, sempre sonhou em escrever histórias pelas quais os leitores se apaixonassem. Sua estreia na literatura, a trilogia Cinquenta Tons de Cinza, se tornou o maior fenômeno editorial dos últimos anos.


   Em Cinquenta Tons de Cinza, primeiro livro da série best-seller que já vendeu mais de 150 milhões de exemplares e ganhou adaptação para as telonas, conhecemos a inocente estudante de literatura Anastasia Steele, que acaba conhecendo o atraente, brilhante e profundamente dominador Christian Grey em uma entrevista para o jornal da universidade. Após se conhecerem melhor, ambos admitem desejar um ao outro, ainda que Christian tenha seus próprios termos — ele curte alguns tons mais escuros de prazer, sadomasoquismo e não está puramente interessado em amor. Chocada, mas ao mesmo tempo apaixonada e interessada, Ana aceita ser submissa de Grey por um período, até perceber que o homem por quem se apaixonou é mais atormentado do que imaginava e que ela jamais conseguirá ser o que ele tanto deseja.
   Em Cinquenta Tons Mais Escuros temos a continuação do drama erótico que, mesmo sem motivos, chocou o mundo e arrebatou milhares de leitores. Na sequência de tirar o fôlego, Christian, a todo custo, deseja se reaproximar de Ana, dando-a o “mais” que ela tanto quer. Num restaurante pequeno e intimista, Grey revela que sente a falta de Ana e ela, por sua vez, ressalta que não pode ser o que ele quer que a mesma seja, mas que, de certa forma, está inclinada a tentar mais uma vez — dessa vez nos termos dela. E é a partir desse momento que a história começa a ganhar contornos diferentes e conteúdos diversos, onde o sexo, tema central da trilogia, é marginalizado para que o amor e o drama possam ganhar espaço. Para que Grey lide com os demônios do passado que o atormentam e a necessidade de controle, e para que Ana descubra mais sobre seus próprios desejos e enfrente as ameaças que rodeiam seu relacionamento com Christian.

“As aparências enganam – diz ele, baixinho. – Não estou nem um pouco bem. Eu sinto como se o Sol tivesse se posto e não tivesse nascido por cinco dias, Ana. Estou vivendo uma noite infinita.”

   Eu conheci a trilogia Cinquenta Tons de Cinza em 2014, logo que ela começou a fazer um imenso sucesso, e decidi dar uma chance — livre de expectativas e pré-conceitos. O resultado foi que a série se tornou uma de minhas preferidas. Então, quando surgiu a oportunidade de resenhar Cinquenta Tons Mais Escuros (não somente resenhar, mas também reler!), não hesitei em abraçar a situação, já que a história tem uma premissa muito boa e ganhou uma adaptação pela Universal Pictures no mês passado, que estreou em primeiro lugar nos cinemas mundiais, nos primeiros cinco dias arrecadou mais de 200 milhões de dólares e 1,5 milhões de espectadores no Brasil, além de trazer uma trama que deixou o público alvo ainda mais satisfeito. 
   O gênero erótico — que representa aqueles romances que ganham contornos mais sensuais e que utiliza o erotismo em forma escrita, para despertar ou instruir o leitor sobre as práticas sexuais — nunca foi um tipo de literatura presente em minha vida, muito pelo contrário. Inicialmente, eu tinha muito preconceito com esse tipo de literatura, mas hoje percebo que não há necessidade de ferir-me por tão pouco. A literatura, assim como tudo na vida, é extremamente vasta e precisa ser respeitada. Cinquenta Tons de Cinza é uma trilogia caracterizada pelo teor erótico, mas, em minha opinião, o drama e o relacionamento vivido pelos personagens sobressaem muito mais do que as cenas sexuais extremamente explícitas. Tudo depende de como você escolher observar as coisas, certo? 
   Uma das coisas que eu mais gostei em Cinquenta Tons Mais Escuros foi o quanto é visível que a escrita da autora vai evoluindo de um livro para o outro — quem leu o último livro dela, Grey, percebe isso com bastante facilidade. Narrado pela visão de Ana, em primeira pessoa, Cinquenta Tons Mais Escuros tem uma trama muito bem focada, inteligente, divertida e, claro, bem quente. Muitas pessoas não gostaram de forma alguma da narração, mas, no meu caso, foi o que fez a leitura fluir. É interessante ver como tudo acontece pelos olhos da protagonista principal, que sabe como divertir e incitar o leitor na medida certa. Não é tudo o que importa?

“- Não posso ouvir isso. Não sou nada, Anastasia. Sou a casca de um homem. Não tenho coração”.


.