Livro: Por Trás de Seus Olhos
Título Original: Behind Her Eyes 
Autor(a): Sarah Pinborough
Editora: Intrínseca
Páginas: 348
ISBN: 978-85-510-0220-9
Sinopse: Louise é mãe solteira, trabalha como secretária e está presa à rotina da vida moderna: ir para o escritório, cuidar da casa, do filho e tentar descansar no tempo livre. Em uma rara saída à noite, ela conhece um homem no bar e se deixa envolver. Embora ele se vá logo depois de um beijo, Louise fica muito animada por ter encontrado alguém. Ela só não esperava que seu novo e casadíssimo chefe seria o homem do bar. Apesar de ele fazer questão de logo esclarecer que o beijo foi um equívoco, em pouco tempo os dois passam a ter um caso. Em uma terrível sequência de erros, Louise acaba ficando amiga da esposa do amante. E, se você acha que sabe para onde essa história vai, pense de novo, porque Por trás se seus olhos não se parece com nenhum livro que já tenha passado por suas mãos. À medida que é arrastada para a história do casal, Louise acaba com mais perguntas que respostas e a única coisa certa é que algo naquele casamento está muito, muito errado.

Sarah Pinborough é uma premiada escritora e roteirista aclamada pela crítica. Publicou mais de vinte romances e escreveu roteiros para a BBC. Atualmente está trabalhando com várias empresas de televisão em projetos originais. Seus recentes romances incluem a história de amor distópica, The death house e um thriller adolescente, 13 minutes, que foi comprado pela Netflix com adaptação de Josh Schwartz. Por trás de seus olhos foi publicado em janeiro deste ano. O livro foi vendido para mais de vinte territórios em todo o mundo e posto em leilão aos Estados Unidos. Há discussões sobre adaptar a obra para o cinema.

    Louise, ou simplesmente Lou, é secretária num consultório de psiquiatria e sua vida é uma rotina que a esgota. Ela é mãe solteira em Londres, e tudo o que faz é pensando em seu filho, Adam. Numa noite, ela decide que já é hora de cuidar um pouco de sua vida, já que está separada de Ian – o pai de seu filho – há muito tempo, e desde então não esteve com outro homem. O pior de tudo é que Ian a traiu, esse foi o pivô do divórcio, e por isso é difícil para Lou confiar novamente em outra pessoa
    Mas quando conhece David no bar, ela se sente bem como nunca mais havia se sentido. Eles não trocam nomes ou informações pessoais, apenas um beijo quando já estavam embriagados, e isso foi o suficiente para David, que se afastou e foi embora, parecendo culpado. Isso também foi um sinal para Lou, mas ela não se importou e o homem-do-bar dominava seus pensamentos até ela descobrir que David era seu novo chefe e que tinha acabado de se mudar com sua bela esposa para Londres. Sim, ele era casado.
   O que Lou não podia imaginar é que acabaria se tornando amiga de Adele, a esposa de David. Um único encontro entre as duas é capaz de fazer com que uma se encante pela outra facilmente e percebem que têm muito em comum, inclusive os terrores noturnos. Lou sempre tem os mesmos pesadelos e ainda sofre de sonambulismo, o que atrapalha suas noites de sono e às vezes as de seu filho. Adele conta que tinha o mesmo problema, mas tempos atrás descobriu uma técnica para acabar com os terrores e controlar os próprios sonhos.
   Quando mais jovem, Adele morava com os pais num casarão antigo. Em uma noite, enquanto todos dormiam, ele pegou fogo e toda a parte leste da casa foi destruída, onde ficava o quarto dos pais dela. David estava por perto e viu o incêndio ganhar vida, mas conseguiu entrar e salvar Adele. Porém, os pais dela faleceram. Muito abalada com tudo, Adele foi para uma clínica de reabilitação. Lá, ela conheceu Rob, que tentava se recuperar do vício em heroína. Os dois ficaram amigos e compartilharam experiências. Rob lhe disse que também sofria com terrores noturnos, mas na época Adele já dominava os próprios sonhos e ensinou Rob a fazer o mesmo. Ele escreveu a técnica em um caderno, onde também escrevia seus segredos e sentimentos sobre Adele. Foi este caderno que Adele entregou à Lou, para que ela pudesse aprender a se livrar dos pesadelos. E assim, ela tem acesso à história de Rob e a tudo que lhe aconteceu enquanto esteve com Adele.
    O problema é que Lou não consegue manter distância de David, pois a atração entre os dois fica cada vez mais forte. Mesmo sabendo que está traindo sua amiga – e o próprio David, que não sabe da amizade entre elas –, Lou se envolve amorosamente com ele até estar completamente apaixonada. Mas ao mesmo tempo que compartilha momentos de paixão com aquele homem carinhoso e sensual, ela descobre que o casamento de David e Adele tem problemas sérios. Adele parece ser dominada pelo marido que liga todos os dias no mesmo horário para saber onde ela está, lhe dá remédios controlados, não permite que tenha um celular, controla todas as compras de seu cartão de crédito e não admite que faça amizades. Além do mais, ainda há o mistério em torno de Rob: onde ele está? Teria David feito algo com ele por ciúmes de Adele? Por que ele parece tão diferente quando está com ela? Lou quer encontrar as respostas, mas sente que está correndo sério perigo.

"Vista de perto, a vida de todo mundo deve ser uma confusão de segredos e mentiras. A gente nunca sabe o que o outro realmente é sob a fachada" (p. 108).

   Este foi meu primeiro contato com Sarah Pinborough e já posso dizer que foi uma das melhores descobertas do ano. Meu desejo de ler Por trás de seus olhos surgiu por conta de toda a crítica positiva que o cercava – vários autores e jornais renomados amaram o livro. O escritor Joe Hill disse: "Uma caixa de enigmas, uma obra magistralmente construída que traz à mente Hitchcock no que tem de mais estranho". Harlan Coben, um dos meus escritores preferidos, afirmou: "Sarah Pinborough vai virar sua nova obsessão". E por fim, Stephen King, o rei do thriller psicológico, decretou: "Você tem que ler este livro! É brilhante!". Recomendações são sempre importantes para mim, especialmente essas. Não vi escapatória, eu tinha que ler. E além de tudo, ela também é reconhecida por produzir obras inspiradas em Torchwood, um spin-off de Doctor Who, minha série preferida.
    A narrativa de Pinborough é polida, segura e suave, transcorre sem dificuldades, tem diálogos e descrições na medida certa – a gente nunca sabe qual é essa medida até nos depararmos com ela. A autora guia o leitor ao longo das várias camadas que a história possui, e não temos escolha a não ser nos deixar guiar. Ele se divide em três partes e os capítulos são intercalados entre Adele e Louise, ambas narrando em primeira pessoa. Louise é a protagonista e seus capítulos são reveladores, como se a mente dela fosse um livro aberto, onde podemos ter acesso a todos os seus pensamentos. Os de Adele são mais contidos. Sabe-se que ela guarda vários segredos, que vão sendo revelados aos poucos, e portanto, seus capítulos falam o mínimo possível sobre ela e seus planos. Também há capítulos complementares em terceira pessoa, como aqueles que narram o passado de Adele com Rob e David.
    Pinborough tem um controle absurdo sobre a própria história. O livro é um verdadeiro quebra-cabeça e consegue cumprir muito bem sua função, que é quebrar a cabeça do leitor. É difícil não se ver envolvido nos joguinhos psicológicos contidos na trama. De repente nos descobrimos tão vítimas quanto Louise nesta teia de gato. O divertido é tentar ser um Sherlock Holmes, pensar em teorias, nos inúmeros desfechos que o enredo poderia ter. Nas horas vagas, a história ocupava os meus pensamentos – da hora que acordava até a hora de ir dormir. E o pior de tudo: não importa o quanto você pense, desvendar o grande mistério é uma missão praticamente impossível.
    Lou me passou a impressão inicial de que era uma fórmula pronta. Quando o assunto era David, ela agia como uma adolescente se metendo em encrencas. Apesar de toda a experiência que a personagem aparentava ter, não deixei de pensar que ela lembrava a Anastasia Steele, de Cinquenta Tons de Cinza, totalmente apaixonada por seu chefe e entregando-se a ele ao primeiro sinal de intimidade. Mas sua evolução é clara e é possível ver que mesmo se metendo num problema atrás do outro, Lou não é boba, e por isso não demora a perceber as coisas estranhas que passam a acontecer consigo mesma.

"Os caminhos do amor verdadeiro nunca são tranquilos" (p. 203).

   É fácil julgar Lou e David, afinal, ambos estão cometendo um erro considerado cruel em qualquer circunstância. Já Adele é mais difícil de decifrar e de definir o que sentir por ela. Acaba se tornando a personagem mais complexa, pois, ao ler os capítulos que falavam sobre seu passado, tive a impressão de que haviam várias "Adeles" no livro, e é complicado saber se gosta ou não dela. Mesmo que a história se apresente como um triângulo amoroso, ela se revela mais que isso, como se houvesse uma peça importante faltando no quebra-cabeça – e é sempre aquela que está bem diante de seus olhos (ou por trás deles, nesse caso).
   Infelizmente, o final foi pouco convincente. E digo "infelizmente" porque amei o livro, a história é cheia de potencial e a escritora trabalhou nela como se lapidasse um diamante. Claro que esta é uma visão pessoal, mas a sensação é que o desfecho soou forçado só para dar uma justificativa e encerrar tudo de uma só vez – porém, tenho que deixar claro que em momento algum pareceu um "arranjo de última hora", muito pelo contrário, o livro foi, sem dúvidas, planejado com cautela do início ao fim. Inclusive, faz com que o leitor queira reler tudo assim que acaba só para ver se tudo faz sentido, – e faz! Só que ao mesmo tempo em que o final pareceu um pouco sem noção, o choque de descobrir a verdade, no último capítulo, faz com que qualquer falha seja esquecida. Então é uma faca de dois gumes. Se não fosse pelo final, consideraria um livro perfeito.
    Na capa podemos ver uma mulher que parece ser a representação de Adele. As duas bordas que envolvem a figura borrada pode apontar as várias versões que a história tem, assim como as versões da própria personagem – porque, mesmo Lou sendo a protagonista, o cerne de tudo ainda é Adele. Isso fica mais claro no título original, Behind her eyes, que em tradução literal é "Por trás dos olhos dela". 
   Este é o primeiro livro de Pinborough publicado pela Intrínseca e espero que venham mais, afinal, ela se mostrou uma escritora abrangente e tenho certeza que suas obras merecem um alcance tão grande quanto Por trás de seus olhos. Ele é uma mistura de investigação, com pitadas de sobrenaturalidade e mistério. É capaz de mexer com o psicológico de qualquer um, pois é construído para prender o leitor como tentáculos firmes. Para quem ainda não conhece Sarah Pinborough, só tenho um aviso: precisam conhecer. É mais uma escritora que quero conservar com carinho na estante.

Primeiro parágrafo: "A cada hora que passa, me beliscar e dizer a mim mesmo que ESTOU ACORDADO". 
Melhores quotes: "Certa vez me perguntou se era possível amar tanto alguém a ponto de ficar cego a respeito dessa pessoa durante um tempo. Eu disse a ele que o amor é exatamente isso. Ver apenas o bem em alguém".
"Mentiras e verdades são apenas perspectivas".


Deixe um comentário

.