Livro: O Beijo Traiçoeiro 
Título Original: The Trainor's Kiss
Autor(a): Erin Beaty
Editora: Seguinte 
Páginas: 433
ISBN: 987-85-5534-049-9
Sinopse: Com sua língua afiada e seu temperamento rebelde, Sage Fowler está longe de ser considerada uma dama — e não dá a mínima para isso. Depois de ser julgada inapta para o casamento, Sage acaba se tornando aprendiz de casamenteira e logo recebe uma tarefa importante: acompanhar a comitiva de jovens damas da nobreza a caminho do Concordium, um evento na capital do reino, onde uniões entre grandes famílias são firmadas. Para formar bons pares, Sage anota em um livro tudo o que consegue descobrir sobre as garotas e seus pretendentes — inclusive os oficiais de alta patente encarregados de proteger o grupo durante essa longa jornada. Conforme a escolta militar percebe uma conspiração se formando, Sage é recrutada por um belo soldado para conseguir informações. Quanto mais descobre em sua espionagem, mais ela se envolve numa teia de disfarces, intrigas e identidades secretas. E, com o destino do reino em jogo, a última coisa que esperava era viver um romance de tirar o fôlego.

Erin Beaty nasceu em Indianapolis, Indiana. Formou-se na Academia Naval dos Estados Unidos com diploma em engenharia aeroespacial e serviu à Marinha como oficial de armas e instrutora de liderança. Ela e o marido têm cinco filhos, dois gatos e uma horta, e moram onde quer que a marinha leve.  

   Sage Fowler foi criada sempre cercada de livros e desenvolveu um grande amor pelos estudos. Depois de perder os pais, a jovem foi acolhida pelos tios na mansão Broadmoor e se tornou tutora dos primos mais novos. Mas agora, aos dezesseis anos, seus tios querem que ela tenha um futuro estável - e, para uma mulher, isso significa um bom casamento. Apesar de Sage não ter um sobrenome, seu tio consegue arranjar uma avaliação com a principal casamenteira da região, Darnessa Rodelle. A entrevista não poderia ser um desastre maior: é evidente que a garota não tem o menor interesse em se casar e não consegue se comportar como uma lady. Porém, alguns dias depois, vem um convite inesperado: Darnessa quer que Sage seja sua aprendiz. E sua primeira tarefa será descobrir o máximo possível sobre as jovens que estão a caminho do Concordium, um grande evento no qual as principais alianças entre nobres serão consolidadas. Para isso ela terá de se passar por uma delas  e é assim que Sage se transforma em Lady Sagerra Broadmoor
   A escolta da comitiva fica a cargo da tropa do jovem capitão Alexander Quinn, mas poucos sabem que essa missão é mais complexa do que parece. Há rumores de que um duque se uniu a um reino vizinho e planeja um golpe  e a caravana de noivas vai passar exatamente pela sua propriedade. Por isso Quinn leva consigo seus melhores homens, entre eles Ash Carther, o filho bastardo do rei. Ash é um jovem lindo e carismático, e sua maior especialidade é se disfarçar, fingindo ser alguém completamente diferente por dias a fio. 
   Assim que a viagem começa, Sage  ou melhor, Lady Sagerra  acaba se aproximando de um soldado da escolta que trabalha como colcheiro. Com o tempo, ela consegue se abrir com ele como nunca tinha feito antes e aos pouquinhos, o relacionamento se torna uma paixão intensa. Mas a perspicácia de Sage para interpretar as pessoas à sua volta a faz desconfiar de que talvez aquele soldado não seja um mero condutor de carruagens... Com o reino prestes a desmoronar, será que um romance baseado em disfarces poderá resistir? 

"Meu pai me disse certa vez que alguns animais não podem ser controlados. Isso não quer dizer que sejam maus, só são selvagens demais."

   Assim que li a sinopse não tive dúvidas que seria um livro incrível. Confesso que pela capa parecia mais um romance de época jovem-adulto, mas eu estava super enganada. Assim que comecei a leitura e vi que a construção do livro estava muito bem feita, minhas expectativas foram nas alturas. Gosto de romances de época, mas esse livro trouxe muito mais. A história tem aventura, batalhas, romance encantador e personagens cheios de personalidade, e o livro cumpre muito mais do que promete e se você gostou da sinopse, pode se preparar porque a história é tudo isso e muito mais. O Beijo Traiçoeiro é um livro de época com personagens jovem adulto e uma pegada de 007.
   Com uma narração em terceira pessoa é impossível não se envolver com a trama. Foi essencial para o leitor perambular em diferentes lugares e entender um pouquinho dos personagens, principalmente as estratégias de cada um. Erin Beaty não só arrasou no enredo, mas fez questão de detalhar o cenário que criou. A escrita da autora é super envolvente e os capítulos curtos fazem a leitura fluir ainda mais rápido. Achei muito interessante a quantidade de personagens e também a riqueza de detalhes que Beaty colocou no livro, tudo isso descrito de forma leve e nem um pouco entediante. Gosto quando isso acontece e fico muito feliz quando o livro me arrebata e me deixa envolvida. 
   É inegável que a autora pesquisou muito para construir o reino de Demora. Quando abri o livro e vi que tinha um mapa todo detalhado e cheio de lugares eu não imaginava que iria usar para me localizar, mas podem ter certeza, vocês vão usar e ficar de boca aberta com a qualidade do universo que Beaty criou. Durante a leitura eu parava e ficava imaginando tudo que me era apresentado. Juro pra vocês que esse livro me conquistou pela riqueza de detalhes sobre os lugares, povo e também algumas histórias do passado. Eu sou um pouco suspeita para falar desse gênero, mas O Beijo Traiçoeiro merece um lugar de destaque no meu coração.
   Nossa protagonista, Sage Fowlwe, é apaixonada por livros e depois de perder o pai vai morar na casa dos tios. Assim que completa dezesseis é obrigada a participar do Concordium e é tentando fugir da casamenteira que ela vai viver a maior aventura de sua vida. Inteligente e muito observadora, ela vai ser convidada a ser aprendiz da casamenteira para obter informações sobre as damas que vão participar dos casamento, por isso vai se disfarçar de Lady Sagerra Broadmoor. Sage precisa saber tudo que conseguir sobre as damas e também sobre os homens do capitão Quinn que estão escoltando a comitiva. Para tanto, Sage fica muito próxima do soltado Ash Carter para conseguir suas informações. O que Sage não sabe é que Ash está disfarçado para descobrir algumas coisas para o capitão Quinn. Esses dois personagens além de muito inteligentes, vão enganar o leitor a cada capítulo. Se preparem para mentiras!
   Sage é bem diferente das damas da sociedade e não se importa com os padrões que precisa seguir, ela acha que é certo e vai lá e faz. Essa personagem me conquistou logo no inicio do livro, quando apareceu de calça  achei isso maravilhoso. O mais interessante é que a personagem faz o leitor pensar e retoma cenas anteriores para descobrir alguns segredos. Até agora estou encantada com ela, pouca vezes conheci uma personagem tão inteligente e disposta a quebrar os padrões impostos pela sociedade.

 "Nem todas as batalhas são combatidas no campo, Milady."

   O ponto alto dessa trama são as surpresas. Muitas mentiras serão contadas e Sage e Ash vão ter que saber guiar o relacionamento que criaram baseado em mentiras. O plot-twist no final foi sensacional! Fiquei com vontade de sair gritando quando fui descobrindo a verdade. Outras coisa que achei arrasador foi o desfecho da batalha, me emocionei bastante no final. Acho que tudo nesse livro foi muito bem executado e a autora merece muitos elogios por criar algo tão maravilhoso e envolvente. Não vi defeito em nada. Personagens, enredo, narração e todos os detalhes estão perfeitos. Esse livro me arrebatou e não sei quando vou superar algumas coisas.
   A Editora Seguinte fez um trabalho muito caprichado na edição. Achei a capa maravilhosa e não vi nenhum defeito na tradução. Mas o que eu mais gostei e sempre elogio é a diagramação que a editora faz. Dá gosto pegar um livro pra ler a diagramação estar espaçada e com a fonte no tamanho ideal. Amo o carinho com que a Seguinte faz cada livro que publica. 
   Por ora, eu só tenho que aguardar a continuação. Sim, teremos continuação! Se você está procurando uma história cheia de aventuras, batalhas, investigação e um romance de época young-adult esse é o livro certo. O Beijo Traiçoeiro está pronto para te fisgar com seus segredos. Recomendo muito esse livro e espero que essa resenha faça você ir correndo para a livraria mais próxima.


Primeiro Parágrafo: "Tio William tinha voltado mais de uma hora antes, mas ainda não a havia chamado. Sage estava à  mesa da sala de aula, tentando não ficar inquieta. Jonathan nunca parava quieto nas aulas dela, fosse por tédio ou por raiva de que uma menina poucos anos mais velha fosse sua professora. Sage não ligava, mas não daria motivos para que zombasse dela. Agora, ele estava debruçado sobre o mapa de Demora, escrevendo as legendas. Ele só se esforçava quando os irmãos tinham tarefas parecidas que poderiam ser comparadas à dele. Sage havia feito essa descoberta logo de início e a usava como arma contra sua desobediência."
Melhor Quote: "Representamos vários papéis ao longo da vida... isso não faz com que todos sejam mentira."


Livro: Nós Dois 
Título Original: The Two of Us 
Autor(a): Andy Jones 
Editora: Suma de Letras
Páginas: 268
ISBN: 978-85-5651-022-8
Sinopse: Durante dezenove dias, Fisher e Ivy vivem uma relação idílica e são praticamente inseparáveis. É claro que os dois sabem que estão destinados a ficar juntos para sempre, e o fato de se conhecerem tão pouco é apenas um detalhe. Nos doze meses seguintes, período em que suas vidas mudam radicalmente, Fisher e Ivy percebem que se apaixonar é uma coisa, mas manter uma relação é algo completamente diferente. “Nós dois” é um romance honesto e emocionante sobre a vida, o amor e a importância de dar valor a ambos.

Andy Jones vive me Londres com a esposa e as duas filhas. Durante a semana, ele trabalha em uma agencias de publicidade e, nos fins de semana e nos tempinhos que encontra antes do trabalho, escreve romances.   

  Se apaixonar perdidamente é fácil. A grande aventura começa na hora de compartilhar a vida. Fisher e Ivy se conheceram há dezenove dias. Fisher e Ivy não se desgrudam há dezenove dias. Não é o primeiro relacionamento de nenhum dos dois, então eles sabem que existe algo especial: foram feitos um para o outro. Mesmo sem se conhecerem muito bem, têm certeza de que daqui para frente vão ficar juntos. Contudo, no decorrer do ano seguinte, o casal vai descobrir que todo mundo pode se apaixonar, mas nem todos conseguem continuar apaixonados. Nós Dois é uma inusitada história de amor, sobre um casal que embarca em duas semanas de paixão e vê sua vida se transformar para sempre. Um livro sobre o poder do amor... apesar de tudo. 
  Quando peguei esse livro não imaginava que se tratava de um drama familiar e nunca imaginei que seria um dos livros que mais choraria lendo. Fui engana com essa sinopse simples, mas essa história é muito mais que um simples romance que acontece em dezenove dias. Fisher e Ivy vão passar por grandes dificuldades. O ponto principal vai ser no aprendizado e também no crescimento dos dois como pessoa. Acompanhar esses dois é dilacerador, tenho certeza que vocês vão refletir bastante depois dessa experiência literária. 

"Não se esforcem demais para ser uma casal perfeito, meu amor. Não fiquem se metendo na vida um do outro; não tenham medo de discutir, de calar a boca ou de contar umas mentirinhas bobas; ajude na limpeza; não deixe cuecas sujas do avesso largadas no chão; abaixe o assento na privada; compre flores para Ivy uma vez por mês e lhe dê um beliscão na bunda uma vez por semana. O resto é com você."


Livro: O Navio dos Mortos 
Autor(a): Rick Riordan 
Editora: Intrínseca 
Páginas: 368
ISBN: 978-85-510-0247-6
Sinopse: O destino dos mundos está de novo nas mãos de Magnus Chase. Será que ele vai conseguir derrotar Loki de uma vez por todas? Nos dois primeiros livros da série, Magnus Chase, o herói boa-pinta que é a cara do astro de rock Kurt Cobain, ex-morador de rua e atual guerreiro imortal de Odin, precisou sair em algumas jornadas árduas e desafiar monstros, gigantes e deuses nórdicos para impedir que os nove mundos fossem destruídos no Ragnarök, o fim do mundo viking. Em O navio dos mortos, Loki está livre da sua prisão e preparandoNaglfar, o navio dos mortos, para invadir Asgard e lutar ao lado de um exército de gigantes e zumbis na batalha final contra os deuses. Desta vez, Magnus, Sam, Alex, Blitzen, Hearthstone e seus amigos do Hotel Valhala vão precisar cruzar os oceanos de Midgard, Jötunheim e Niflheim em uma corrida desesperada para alcançar Naglfar antes de o navio zarpar no solstício de verão, enfrentando no caminho deuses do mar raivosos e hipsters, gigantes irritados e dragões malignos cuspidores de fogo. Para derrotar Loki, o grupo precisa recuperar o hidromel de Kvásir, uma bebida mágica que dá a quem bebe o dom da poesia, e vencer o deus em uma competição de insultos. Mas o maior desafio de Magnus será enfrentar as próprias inseguranças: será que ele vai conseguir derrotar o deus da trapaça em seu próprio jogo?

TRILOGIA "MAGNUS CHASE E OS DEUSES DE ASGARD"
    2.  O Martelo de Thor
    3.  O Navio dos Mortos 

Rick Riordan nasceu em 1964, nos Estados Unidos, em San Antonio, Texas. Hoje mora em Boston com a esposa e os dois filhos. Autor best-seller do The New York Times, premiado pela YALSA e pela American Library Association, por quinze anos ensinou inglês e história em escolas de São Francisco, e é a essa experiência que atribui sua habilidade de escrever para o público jovem. É autor das séries Percy Jackson e os Olimpianos, Os heróis do Olimpo, As crônicas dos Kane e As provações de Apolo.

     Magnus Chase era apenas um morador das ruas em Boston, até que depois de enfrentar um gigante, tudo mudou. Ele foi levado para Valhalha – o lar viking daqueles que morreram heroicamente – pela valquíria mulçumana Sam. Lá, Magnus descobriu todos os segredos que rodeavam sua vida, inclusive que é filho de Frey, o deus nórdico do verão. No primeiro livro, A espada do verão, Magnus embarca numa perigosa jornada para recuperar Jacques, a espada perdida de seu pai (e sua futura companheira de combates) e impedir que o lobo Fenrir escape e dê início ao Ragnarök, o fim do mundo. 
    Já no segundo livro, O martelo de Thor, Magnus e seus amigos partem em mais uma missão para encontrar o martelo do deus dos trovões e novamente tentam evitar o fim do mundo, lutando para impedir que Loki se liberte de sua prisão. Infelizmente, os planos falham e Loki consegue escapar. Agora, no último livro da trilogia, o deus da trapaça está a bordo do Navio dos Mortos, o Naglfar, uma embarcação feita de unhas dos pés de mortos e está a caminho ao Ragnarök
    Desta vez os sacrifícios serão dobrados. Junto com todos os seus fiéis amigos, Magnus se prepara para encarar Loki e desafiá-lo num vitupério, uma competição de insultos. Mas como alguém pode vencer o deus da lábia numa competição assim? Em busca de respostas, Magnus entra no navio de seu pai com sua equipe – formada por nada mais que oito pessoas – e passa por muitos riscos enquanto se pergunta se será capaz de parar Loki.

    Estava aguardando com ansiedade o último livro dessa trilogia. Logo de início me encantei com a história do Magnus, principalmente por abordar a mitologia nórdica, que é tão rica e que hoje faz parte da cultura pop. A contribuição de Riordan para inserir ainda mais conhecimento através de seus livros, destinados a crianças e adolescentes, é muito empolgante. Além do mais, sou uma grande fã do autor e de suas obras, por isso não foi difícil devorar o livro em pouquíssimo tempo.
    A narrativa de Riordan é visivelmente voltada ao público mais jovem. Sua escrita é simples e direta, sem grandes floreios e a presença de várias onomatopeias – uma das marcas registradas do autor. Isso faz com que seus livros sejam atrativos, fluidos, divertidos e assim, envolvem com facilidade. O narrador-personagem é o próprio Magnus e isso ajuda a entender tudo o que se passa na mente do jovem herói. Ele também dialoga com o público, estreitando a relação entre protagonista e o leitor.

"Não dá para sentir ódio para sempre. Não vai afetar nem um pouco a pessoa que você odeia, mas vai te envenenar, com certeza" (p. 120).


Livro: Por Trás de Seus Olhos
Título Original: Behind Her Eyes 
Autor(a): Sarah Pinborough
Editora: Intrínseca
Páginas: 348
ISBN: 978-85-510-0220-9
Sinopse: Louise é mãe solteira, trabalha como secretária e está presa à rotina da vida moderna: ir para o escritório, cuidar da casa, do filho e tentar descansar no tempo livre. Em uma rara saída à noite, ela conhece um homem no bar e se deixa envolver. Embora ele se vá logo depois de um beijo, Louise fica muito animada por ter encontrado alguém. Ela só não esperava que seu novo e casadíssimo chefe seria o homem do bar. Apesar de ele fazer questão de logo esclarecer que o beijo foi um equívoco, em pouco tempo os dois passam a ter um caso. Em uma terrível sequência de erros, Louise acaba ficando amiga da esposa do amante. E, se você acha que sabe para onde essa história vai, pense de novo, porque Por trás se seus olhos não se parece com nenhum livro que já tenha passado por suas mãos. À medida que é arrastada para a história do casal, Louise acaba com mais perguntas que respostas e a única coisa certa é que algo naquele casamento está muito, muito errado.

Sarah Pinborough é uma premiada escritora e roteirista aclamada pela crítica. Publicou mais de vinte romances e escreveu roteiros para a BBC. Atualmente está trabalhando com várias empresas de televisão em projetos originais. Seus recentes romances incluem a história de amor distópica, The death house e um thriller adolescente, 13 minutes, que foi comprado pela Netflix com adaptação de Josh Schwartz. Por trás de seus olhos foi publicado em janeiro deste ano. O livro foi vendido para mais de vinte territórios em todo o mundo e posto em leilão aos Estados Unidos. Há discussões sobre adaptar a obra para o cinema.

    Louise, ou simplesmente Lou, é secretária num consultório de psiquiatria e sua vida é uma rotina que a esgota. Ela é mãe solteira em Londres, e tudo o que faz é pensando em seu filho, Adam. Numa noite, ela decide que já é hora de cuidar um pouco de sua vida, já que está separada de Ian – o pai de seu filho – há muito tempo, e desde então não esteve com outro homem. O pior de tudo é que Ian a traiu, esse foi o pivô do divórcio, e por isso é difícil para Lou confiar novamente em outra pessoa
    Mas quando conhece David no bar, ela se sente bem como nunca mais havia se sentido. Eles não trocam nomes ou informações pessoais, apenas um beijo quando já estavam embriagados, e isso foi o suficiente para David, que se afastou e foi embora, parecendo culpado. Isso também foi um sinal para Lou, mas ela não se importou e o homem-do-bar dominava seus pensamentos até ela descobrir que David era seu novo chefe e que tinha acabado de se mudar com sua bela esposa para Londres. Sim, ele era casado.
   O que Lou não podia imaginar é que acabaria se tornando amiga de Adele, a esposa de David. Um único encontro entre as duas é capaz de fazer com que uma se encante pela outra facilmente e percebem que têm muito em comum, inclusive os terrores noturnos. Lou sempre tem os mesmos pesadelos e ainda sofre de sonambulismo, o que atrapalha suas noites de sono e às vezes as de seu filho. Adele conta que tinha o mesmo problema, mas tempos atrás descobriu uma técnica para acabar com os terrores e controlar os próprios sonhos.
   Quando mais jovem, Adele morava com os pais num casarão antigo. Em uma noite, enquanto todos dormiam, ele pegou fogo e toda a parte leste da casa foi destruída, onde ficava o quarto dos pais dela. David estava por perto e viu o incêndio ganhar vida, mas conseguiu entrar e salvar Adele. Porém, os pais dela faleceram. Muito abalada com tudo, Adele foi para uma clínica de reabilitação. Lá, ela conheceu Rob, que tentava se recuperar do vício em heroína. Os dois ficaram amigos e compartilharam experiências. Rob lhe disse que também sofria com terrores noturnos, mas na época Adele já dominava os próprios sonhos e ensinou Rob a fazer o mesmo. Ele escreveu a técnica em um caderno, onde também escrevia seus segredos e sentimentos sobre Adele. Foi este caderno que Adele entregou à Lou, para que ela pudesse aprender a se livrar dos pesadelos. E assim, ela tem acesso à história de Rob e a tudo que lhe aconteceu enquanto esteve com Adele.
    O problema é que Lou não consegue manter distância de David, pois a atração entre os dois fica cada vez mais forte. Mesmo sabendo que está traindo sua amiga – e o próprio David, que não sabe da amizade entre elas –, Lou se envolve amorosamente com ele até estar completamente apaixonada. Mas ao mesmo tempo que compartilha momentos de paixão com aquele homem carinhoso e sensual, ela descobre que o casamento de David e Adele tem problemas sérios. Adele parece ser dominada pelo marido que liga todos os dias no mesmo horário para saber onde ela está, lhe dá remédios controlados, não permite que tenha um celular, controla todas as compras de seu cartão de crédito e não admite que faça amizades. Além do mais, ainda há o mistério em torno de Rob: onde ele está? Teria David feito algo com ele por ciúmes de Adele? Por que ele parece tão diferente quando está com ela? Lou quer encontrar as respostas, mas sente que está correndo sério perigo.

"Vista de perto, a vida de todo mundo deve ser uma confusão de segredos e mentiras. A gente nunca sabe o que o outro realmente é sob a fachada" (p. 108).


Olá, leitores! Na coluna Ao Redor do Globo de hoje mostrarei as capas de O Livro do Juízo Final (confiram a resenha aqui), escrito pela premiada autora de ficção científica, Connie Willis. Publicado pela primeira vez em 1992, a obra vem acumulando uma infinidade de capas diferentes, cada uma abordando um ângulo da história.

Esta é a capa brasileira publicada pela Suma de Letras em hardcover. Ela realmente ficou muito bonita e traz o impacto que a trama pede, em conjunto com as cores que entram em contraste sóbrio

Esta foi a primeira edição, de 1992, publicada pela editora nova-iorquina, Bantam Spectra. Ela mostra Kivrin, a protagonista trajando as roupas que foram meticulosamente escolhidas para que viajasse para a Idade Média. Porém, ela está no meio de Oxford no inverno, a época natalina – em que ela viaja. São dois contrastes vistos através do recorte de três janelas que lembram a arquitetura de igrejas – o que conversa com a religiosidade, uma das questões abordadas no livro.


Olá, leitores! A coluna Li Até a Página 100 e... hoje mostrará um pouco sobre as minhas primeiras impressões acerca do livro Por Trás de Seus Olhos, de Sarah Pinborough.


PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100: "Viro a página e espero encontrar mais instruções, mas o que vejo são garranchos feitos com caneta esferográfica, nenhum respeitando muito o limite de linhas".

DO QUE SE TRATA O LIVRO: Ele gira em torno de três personagens: Louise, Adele e David. Estes últimos vivem um casamento estranho e problemático, onde nenhum dos dois parece muito feliz. Louise entra em cena quando conhece David num bar. Os dois estão embriagados e trocam beijos. Logo depois, David se vai, sentindo-se culpado. Dias depois, Louise descobre que David está em Londres para trabalhar no consultório de psiquiatria em que ela é secretária – pior ainda: ele será seu novo chefe. Mas quando Louise descobre que David é casado, tenta se afastar e manter apenas uma relação profissional. Até que um dia, Adele e Louise se encontram. As duas simpatizam uma com a outra de imediato e desenvolvem uma boa amizade, sem que David saiba. Ao se envolver cada vez mais nesse casamento, Louise percebe que há algo de muito esquisito nele.

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA?
Ainda não compreendi os rumos que a história está tomando, mas desde o início é bastante envolvente. Gostei muito da escrita da autora, a forma não-linear da narrativa e seus personagens misteriosos que estão sendo construídos aos poucos.

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL?
Não ficou claro até então de quem é o protagonismo da história. De início, imaginei que fosse Louise, mas ela parece dividir espaço com Adele, que também é foco de muitos capítulos como narradora-personagem. Talvez Adele seja antagonista, mas acredito que só seja possível fazer essa divisão conforme a história avança. De toda forma, Louise é uma personagem complicada. Age como uma adolescente apaixonada sempre que pensa em David e não consegue ser honesta quando deveria ser, ou seja, é muito fácil julgá-la. Já Adele tem um lado misterioso, assim como seu passado sofrido, que vem sendo revelado aos poucos.

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:

"Ele se agarra às coisas que não pode mudar, mas o que está feito está  feito, queiramos ou não". 

VAI CONTINUAR LENDO?
Sim! Todas as recomendações são maravilhosas e estimulantes, assim como toda a propaganda feita em torno do livro. Sinto que este será mais um dos romances impossíveis de largar. Além do mais, estou animada por conhecer uma autora nova, já que é o primeiro livro de Sarah Pinborough que leio.

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100: "E, estranhamente, é muito bom me sentir assim".


Livro: A Invasão de Tearling
Autor(a): Erika Johansen 
Editora: Suma de Letras 
Páginas: 395
ISBN: 978-85-5651-047-1
Sinopse: Kelsea Glynn é a rainha de Tearling. Apesar de ter apenas dezenove anos e nenhuma experiência no trono,ela ficou rapidamente conhecida como uma monarca justa e corajosa. No entanto, o poder é uma faca de dois gumes. Ao interromper o comércio de escravos com o reino vizinho e tentar conseguir justiça para seu povo, ela enfurece a Rainha Vermelha, uma feiticeira poderosa e com um exército imbatível. Agora, à beira de ver o Tearling invadido pelas tropas inimigas, Kelsea precisa recorrer ao passado, aos tempos de antes da Travessia, para encontrar respostas que podem dar ao seu povo uma chance de sobrevivência. Mas seu tempo está acabando... Nesta continuação de A rainha de Tearling, a incrível heroína construída por Erika Kohansen volta para outra aventura cheia de magia e reviravoltas.

TRILOGIA "TEARLING"
    2.  A Invasão de Tearling
    3.   The Fate of the Tearling (O Destino de Tearling em tradução livre)


Erika Johansen, de 35 anos, cresceu e mora na San Francisco Bay Area. Estudou na Swarthmore College, completou seu mestrado na Iowa Writer's Workshop e mais tarde se tornou advogada. Johansen decidiu começar a escrever quando viu Stephen King, seu escritor favorito, ganhar o National Book Award em 2003, até que em uma noite de 2007, ela sonhou com o mundo de Tearling. Alguns dias depois, Erika assistiu a um discurso de Barack Obama que lhe deu inspiração para criar Kelsea, a heroína da série. Os direitos de filmagem foram comprados pela Warner Bros, tendo Emma Watson escalada como a protagonista. A frente do projeto está David Heyman, produtor de filmes como Harry Potter e O Menino do Pijama Listrado.

   Após os acontecimentos do livro A Rainha de Tearling, Kelsea vem se adaptando cada vez melhor ao trono. Quando o povo do reino de Tearling viu seu poder, a jovem de apenas dezenove anos não se tornou apenas admirada, mas também temida. As safiras continuam penduradas em seu pescoço e quanto mais o tempo passa, mais poder ela descobre ter. A questão é: como controlá-lo e usá-lo da melhor forma? Enquanto Tearling sofre a ameaça de uma invasão mort – desde que Kelsea proibiu que o povo de Tearling fosse enviado para Mortmesne como escravos, a Rainha Vermelha planeja vingança —, Kelsea enfrenta uma nova realidade ao descobrir que as safiras podem ir muito mais além do que imaginava.
   Três séculos antes da época em que a história se passa – é nesse tempo que vivia Lily Freeman (que se tornou Lily Mayhew depois de casar-se com Greg Mayhew). Seu mundo era um Estados Unidos completamente distópico. As liberdades foram esquecidas e o país vivia sob um governo autoritário que controlava cada passo de seu povo. Os ricos eram privilegiados e tinham toda a proteção do governo, contanto que se comportassem bem. Os pobres foram deixados de lado, marginalizados, obrigados a viver sob repressão constante – a não ser por aqueles que se rebelaram. E muitos fizeram isso. Esse foi o início da nova jornada rumo à Tearling. Mas o que Kelsea não consegue entender é o por quê de as safiras lhe mostrarem a vida de Lily, no que isso pode ajudar e o que a história dela tem de tão importante.
Durante o tempo em que vive essa dubiedade entre duas vidas diferentes, a Rainha Kelsea ainda tem de lidar com algo inesperado: aquele que chamam de a coisa sombria. No primeiro livro, pudemos ver o relacionamento que a Rainha de Mortmesne mantinha com a criatura que a visitava através do fogo e que, há muito tempo, havia lhe concedido poderes, como a imortalidade. Agora, é Kelsea que ele procura e é através de suas estratégias para conseguir o que quer, que Kelsea desvenda muitos mistérios que cercam sua vida e seu reino.

   O segundo livro é ainda melhor que o primeiro. Claramente a escrita de Johansen evoluiu muito, é incrível como ela adentra ainda mais no universo de Tearling e além dele. O desenvolvimento do livro foi uma boa surpresa e não tenho dúvidas de que Erika Johansen foi uma das melhores escritoras que descobri este ano. Espero ver muito mais de seu talento em outras obras, não só com o terceiro livro da trilogia (já estou aguardando o lançamento com muita ansiedade), mas também com outros. Em A invasão de Tearling, o que temos é uma versão mais aprofundada de A Rainha de Tearling, onde os mistérios se intensificam e a visão de outros personagem tornam-se foco ao lado da protagonista.
   A narrativa deste livro também superou em muito a do primeiro, que se arrastou nos primeiros capítulos e só conseguiu me prender de vez quando já havia lido mais da metade. Em A Invasão de Tearling, a história ganha o leitor logo no primeiro capítulo, quando somos apresentados a um novo e instigante personagem. Além disso, a narrativa estava em ritmo de subida o tempo inteiro, como uma montanha-russa. Muitos momentos de tensão marcam a narrativa, e mesmo as cenas mais tranquilas passam sensação de fluidez, pois mal dá para esperar a próxima surpresa que a história trará.
   Porém, isso não significa que Johansen perdeu sua marca. Assim como falei na resenha de A Rainha de Tearling, a autora descreve todos os detalhes e abre mão de muitos diálogos, focando em outros pontos da história – descrições de personagens, cenários, ações, etc. Johansen tem um cuidado muito específico com seus personagens. Ela nos envolve em suas histórias, fazendo com que descubramos seus medos e desejos. Isso faz com que sua narrativa seja onisciente e sempre em terceira pessoa. Desta vez, ela precisou lidar com a manutenção de capítulos diferentes para cada um dos personagens: e a lista aumentou consideravelmente neste segundo livro – algo que achei fantástico.


Olá, leitores! Na coluna Li até a página 100 e... trago hoje as primeiras impressões sobre o último livro da trilogia Magnus Chase e os deuses de Asgard (confira aqui a resenha do segundo livro), escrito por Rick Riordan.


PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100: "Pensei em todo o tempo que passei com Percy Jackson, aprendendo sobre bolinas e mastros só para acabar descobrindo que os deuses vikings inventaram um aplicativo que dirigia barcos".

DO QUE SE TRATA O LIVRO: Este é o terceiro livro da trilogia Magnus Chase e os deuses de Asgard e traz a última batalha do protagonista Magnus, que, ao lado de seus amigos, tentará evitar o ragnarök – o dia do juízo final dos nórdicos, onde todos os mundos, inclusive o nosso, são destruídos. Para isso ele precisa antes encontrar Loki, que agora comanda o Navio dos Mortos, cujo destino final é o caos.

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA?
Como sempre, a escrita de Rick Riordan consegue te prender facilmente por ser simples e frenética ao mesmo tempo. Consegui chegar à página 100 em poucas horas sem dificuldade. Além disso, está sendo ótimo poder matar a saudade dos personagens, já que faz pouco mais de um ano que aguardei esse desfecho.

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL?
Magnus continua o mesmo de sempre, porém, mais aperfeiçoado nos conhecimentos vikings. Essa estabilidade combinada com o amadurecimento parcial do personagem é ótima, considerando que toda a trama – desde o primeiro até o terceiro livro – se passa em alguns meses. Desde A espada do verão me encantei pelo Magnus, chegando até a considerá-lo um protagonista melhor que Percy (talvez porque me identifiquei mais). Porém, o mais legal até agora foi vê-lo interagindo com o próprio Percy. Esses crossovers nunca parecem dar errado nas mãos de Riordan.

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:

Chocolate primeiro, destruir o mundo depois. 

VAI CONTINUAR LENDO?
Claro. Mesmo sabendo que sentirei muita falta das histórias do Magnus, estou ansiosa para ver como será o final dessa história emocionante (especialmente porque até agora Rick Riordan sempre me impressionou com finais épicos. Mal posso esperar por mais um).

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100: "É um novo dia!".



Há certo consenso entre leitores de ficção sobre os personagens secundários: às vezes eles são melhores que os protagonistas. Isso também vale para os casais. Se você, assim como eu, costuma torcer mais para os casais secundários do que para os protagonistas, então venha ver essa listinha e verifique se concordamos nesses shipps.

1. SIMON LEWIS E ISABELLE LIGHTWOOD (OS INSTRUMENTOS MORTAIS)
Simon e Izzy (ou Sizzy) foram bem improváveis no início, e pensei muitas vezes que o romance entre eles estava meio forçado. Mas com o passar dos livros – em especial a partir do quarto livro, Cidade dos Anjos Caídos, quando o personagem de Simon amadurece mais e podemos perceber que ele desencanou de vez da Claire, sua melhor amiga – eles foram me conquistando à medida que desenvolviam um romance mais leve e que soava cada vez mais natural. Com certeza passei a torcer mais por eles do que para Claire e Jace, os protagonistas.

2. MAGNUS BANE E ALEC LIGHTWOOD (OS INSTRUMENTOS MORTAIS)
Continuando na série Os instrumentos mortais, outro casal que foi me prendendo a cada livro foi Magnus e Alec (ou Malec). A química imediata dos dois no primeiro livro logo me conquistou e passei o resto da série torcendo para que os dois se entendessem e para que Alec deixasse de lado suas angústias e ficasse com Magnus. Mesmo sendo muito diferentes, os dois parecem se completar e isso fez com que se tornassem o casal queridinho dos fãs – não apenas nos livros, mas também na série de TV, Shadowhunters.


Olá, leitores! Bem-vindos a mais um post da coluna Quotes de Quarta, onde compartilhamos com vocês os melhores trechos dos livros que lemos. Espero que curtam os quotes de hoje:


“Não há nada que não pode ser consertado. Exceto o fato de que você se foi para sempre.”.
— O Herói Perdido (Rick Riordan).



“Todos conquistam o que desejam, mas nem sempre se satisfazem com isso”.
— As Crônicas de Nárnia (C.S. Lewis).


"— Você disse que seria para sempre.
— E quem disse que o sempre não é agora?
— Isso não faz sentido algum.
— Eu nunca disse que faria".

— Depois dos Quinze (Bruna Vieira).


“Há momentos em que o mundo desaba sobre nós e ninguém é capaz de nos compreender".
— O Vendedor de Sonhos (Augusto Cury).


Olá, leitores! A coluna Li até a página 100 e... traz hoje as primeiras impressões sobre o segundo livro da trilogia A Rainha de Tearling (para ler a resenha do primeiro, clique aqui), A Invasão de Tearling, escrito por Erika Johansen.


PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100: "Kelsea considerou a ideia por um momento, sombriamente fascinada".

DO QUE SE TRATA O LIVRO: O livro abrange o reinado de Kelsea Glynn, a rainha de Tearling, uma terra onde a população era subjugada pelo reino vizinho, Mortmesne, e por sua terrível Rainha Vermelha. No livro anterior, acompanhamos Kelsea nessa jornada para conseguir subir ao trono, derrubar o seu tio e iniciar grandes mudanças em Tearling – e ela começou jogando pesado: impediu a continuidade do comércio de escravos. Isso levou até seu reino consequências severas, como a fúria da Rainha Vermelha. Agora, ela deve preparar seu povo, pois estão prestes a entrar numa perigosa guerra e estão destinados a perdê-la.

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA?
Está sendo um começo de leitura muito mais prazeroso que o primeiro livro. A Invasão de Tearling me prendeu nas primeiras páginas e não quer largar. Isso por si só já me deu ótimas expectativas quanto a história. Além disso, há a introdução de novos personagens e novos ângulos são explorados. São muitos focos distintos em um só livro, e olhe que só cheguei a página 100. Também explora os tempos Pré-Travessia, ou seja, o mundo dos Estados Unidos antes de ele se tornar o que a história do livro mostra: um mundo divido, que lembra a Idade Média, embora se passe daqui a três séculos. 

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL?
Kelsea no primeiro livro, quando era apenas uma menina de dezenove anos tentando entender o seu papel como Rainha, era uma protagonista que amei conhecer, inclusive exaltei muito isso na resenha. Ela foge dos padrões, especialmente na aparência. Ela é bastante real, agindo e pensando como qualquer jovem da idade dela pensaria e agiria estando no lugar dela. Mas neste livro Kelsea parece alguém totalmente diferente – o que não é de todo ruim, pois mostra evoluções na personagem, que agora sabe lidar melhor com suas responsabilidades. Mas agora ela não é mais tão familiar, como se houvesse se distanciado do leitor, e está havendo certa inclinação em padronizá-la, o que devo confessar que me desagradou um pouco porque tirou uma das melhores características da personagem. No entanto, Kelsea continua a mesma garota valente, firme, decidida e imponente.

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:

Eu acho que esse é o ponto crítico do mal neste mundo, Majestade; os que se sentem no direito de fazer o que quiserem, de ter o que quiserem. Pessoas assim nunca se perguntam se têm direito. Não consideram o custo para alguém além de si mesmas.

VAI CONTINUAR LENDO?
Com toda certeza! Como já disse, a narrativa me prendeu facilmente e aguardo com grande expectativa o desfecho, quando vários pontos "cegos" apresentados na história podem se unir e revelar alguns mistérios.

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100: "E esse homem seria uma boa escolha, pois tinha sido a ruína de muitas mulheres, ela tinha certeza".


Olá, leitores! Bem-vindos a mais um post da coluna Quotes de Quarta, onde compartilhamos com vocês os melhores trechos dos livros que lemos. Espero que curtam os quotes de hoje:



“O mundo não é cruel nem jubiloso. É simplesmente aleatório, cheio de partículas colidindo umas com as outras, elementos químicos se misturando e reagindo. Não existe ordem. Não existe algo como a condenação predeterminada do mal e a proteção dos justos. Caos, meu bem. Trata-se do caos”.
— O Inocente (Harlan Coben).



“O toque de seus lábios, suaves e leves como uma pena era tudo que os conectava, mas um fogo que Luce nunca sentira antes se espalhou por dentro dela, e ela soube que precisava mais... de Daniel. Seria demais pedir que ele precisasse dela da mesma maneira, que a prendesse em seus braços como fizera tantas vezes em seus sonhos, para retribuir o beijo com outro ainda mais poderoso. Mas foi isso que ele fez”.
— Fallen (Lauren Kate).


"O amor é quando alguém preenche um espaço na sua vida, um espaço que ficava inteiramente vazio quando essa pessoa ia embora".
— Morte Súbita (J.K Rowling).


Olá, leitores! Bem-vindos a mais um post da coluna Quotes de Quarta, onde compartilhamos com vocês os melhores trechos dos livros que lemos. Espero que curtam os quotes de hoje:



“Quero acordar com você todas as manhãs e adormecer ao seu lado todas as noites. Quero protegê-la, amá-la e cuidar de você de um jeito que nenhum outro homem jamais poderia. Quero mimá-la... Cada beijo, cada toque, cada pensamento meu, tudo isso lhe pertence. Vou fazê-la feliz. Todos os dias [...]. Você pôs fim ao meu sofrimento. E me deu uma nova eternidade. Seja minha, Nora. Seja meu tudo”.
— Finale (Becca Fitzpatrick).



“A vida de ninguém é repleta de momentos perfeitos. E se fosse, não seriam momentos perfeitos. Seriam apenas normais. Como você conheceria a felicidade se não passasse pelas fases tristes?”.
— P.S.: Eu te amo (Cecelia Ahern).


"Os livros são o melhor exemplo de namorado: deixe-os de lado e eles esperarão para sempre; dê-lhes atenção e sempre retribuirão seu amor."
— O Teorema Katherine (John Green).


.