Livro: Por Lugares Incríveis
Título original: All The Bright Places
Autor (a): Jennifer Niven 
Editora: Seguinte
Páginas: 335
ISBN: 9788565765572
Sinopse: "Por Lugares Incríveis - Dois jovens prestes a escolher a morte despertam um no outro a vontade de viver. Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los."

Jennifer Niven é autora de mais de oito livros publicados para jovens e adultos, incluindo um livro sobre suas memórias do ensino médio. Por Lugares Incríveis é um best-seller traduzido e publicando em dezenas de países. O livro também já tem uma adaptação para os cinemas confirmada, com um nome de peso no papel principal: Elle Fanning. 

   Violet Markey era a perfeita garota americana: popular, namorava o jogador de futebol americano mais bonito do colégio e tinha cada pedaço de sua vida programada e planejada, junto com o objetivo de cursar Escrita Criativa em uma universidade longe de casa. Toda sua vida desmorona, contudo, quando ela e a irmã mais velha sofrem um acidente de carro, e Violet é a única sobrevivente. Agora a garota é apenas uma "casca" daquela que existia, tendo se afastado de tudo e de todos, desistido de seus sonhos e desenvolvido uma fobia de carros.
  Theodore Finch é conhecido por toda a escola por ser o garoto "Aberração". Ele nunca se adequou os padrões e esteriótipos existentes na escola, e isso, junto a sua fama de bad boy que faz o que quer e diz exatamente o que pensa, apenas deixou-o mais conhecido: e também mais isolado. O que Finch esconde — ou melhor, o que ninguém se dá ao trabalho de notar —, contudo, é que ele possui longos e esporádicos períodos de profunda depressão, e que muito das atitudes loucas que toma é com um propósito: se sentir vivo. 
   Finch e Violet, que eram completos desconhecidos, se encontram pela primeira vez no alto da torre da escola, os dois com pensamentos relacionados a suicídio. Finch vinha pesquisando diferentes maneiras de se matar e resolveu "investigar" mais de perto uma delas, e Violet não sabe muito bem qual impulso a levou até lá, até se dar conta do que estava prestes a fazer. É dessa maneira pouco inusitada que Theodore Finch a convence a recuar, e acaba tirando a si da mesma situação. 
   Os dois acabam como uma dupla para um trabalho de geografia inusitado: conhecer os lugares incríveis do estado no qual moram. É dessa maneira que, em meio à procura e descoberta de lugares desconhecidos, a amizade dos dois se desenvolve, resultando em uma conexão que nenhum deles poderia imaginar. Com seus jeitos completamente opostos, mas, ao mesmo tempo, possuindo muito mais em comum do que eles imaginariam, Finch e Violet começam uma jornada em direção ao auto-conhecimento, a felicidade e, especialmente, a compreensão de que o presente precisa ser vivido. 

   Me sinto obrigada a confessar que, antes de iniciar a leitura de Por Lugares Incríveis, tinha pensado que seria um livro interessante, mas um tanto comum, também: pensei que encontraria mais um young-adult, que englobasse alguns temas mais profundos, mas com um grande romance e uma história de superação. Posso dizer, hoje, que estava completamente errada — não que a obra não englobe tais assuntos, pois sim, isso ocorre, mas por um fato muito mais simples e direto: Por Lugares Incríveis é sobre tão mais do que isso. 
   Poucas vezes mergulhei de cabeça em uma história como fiz nessa, e isso não é algo que eu diga tão frequentemente. O livro se inicia de uma maneira cautelosa, entregando a história aos poucos, e, quando você se dá conta, já está se debulhando em lágrimas e desejando mais da história de Finch, A Aberração e Violeta Ultramarkante. Prova disso foi o fato de que iniciei a leitura de maneira despretensiosa, no final de uma noite, sendo que deveria acordar cedo no outro dia. O resultado? Li até altas horas da madrugada pois precisava terminar o livro, chorei descontroladamente, e acordei pouco depois, com sono e sem conseguir parar de pensar na obra. 
   A narração acontece em primeira pessoa e é alternada, sendo que Finch narra um capítulo, e outro Violet. Esse modo é sempre interessante, pois nos proporciona uma visão muito mais ampla e profunda, tanto dos acontecimentos dos fatos, quanto da visão de cada personagem sobre o que está ocorrendo. Mas, o que não pude deixar de notar (e de admirar muito!) em relação a maneira que Jennifer Niven resolveu contar sua história, foi a escrita tão diferente, emotiva e um tanto frenética, que envolve o leitor como poucas. 


   É através de uma escrita melodiosa, quase poética e carregada de emoção que conhecemos nossos personagens principais, e talvez seja justamente pelo modo como a história é contada que nos envolvemos com eles profundamente. Acredito que não há maneira de terminar essa leitura sem sofrer de um problema que afligiu Finch durante todo o decorrer da narração: sentir demais. Niven foi genial ao desenvolver sua história e mais ainda ao criar personagens que parecem tão reais como nossos melhores amigos, e essa foi uma das causas (entre tantas!) de ter sido tão triste o fim da história. 

    Não há como falar sobre o livro, sendo assim, sem citar o grande "trunfo" da história: a evolução de seus personagens. Ainda fico impressionada, ao lembrar, com a maneira com a qual Jennifer Niven conseguiu pegar dois personagens que no começo pareciam ter seus problemas estáticos, e os transformar em dois seres humanos, com personalidades e dúvidas e emoções e... cheios de vida. Me corrijo aqui: não transformar, mas sim evoluir. Finch e Violet vão evoluindo, mudando aos poucos e passando por situações nas quais se superam, e isso é incrível de se ver, e fascinante demais para largar a leitura. 
   Isto que amei tanto sobre o modo que Niven criou seus personagens: eles têm, de um modo que eu nunca tinha antes visto, vida própria, sendo Theodore, para mim, o grande destaque (mesmo que o livro, em si, foque mais na história de Violet). Mesmo que no início de cada capítulo há a diferenciação de quem está narrando, isso se tornou, depois de poucas páginas, completamente desnecessário. Seria possível reconhecer Finch ou Violet em apenas algumas palavras, por suas personalidades tão marcantestão reais da história.

"Estrelas no céu, estrelas no chão. Não sei dizer onde o céu termina e a terra começa. Sinto a necessidade de dizer algo grande e poético, mas a única coisa em que consigo pensar é:
- É adorável.
Ele diz:
- "Adorável" é uma palavra adorável que deveria ser usada mais vezes."

   E, por mais que tenha adorado a personagem de Violet, como já afirmei aqui, foi Theodore Finch quem roubou a cena. Finch possui algo único — tanto que isso é notado, ainda de que de maneira errada, por todos —, e seu jeito tão reflexivo e profundo sobre as menores coisas, a melancolia e a tamanha tristeza que o personagem carrega me tocaram de forma inimaginável. O interessante sobre Finch é que ele não pensa como outras pessoas. Ele não pensa como qualquer um (personagens de outros livros incluídos na conta), e isso foi o que mais atrai atenção sobre ele. Como suas atitudes eram tão imprevisíveis para mim — que estava, de certa forma, lendo seus pensamentos — quanto para os personagens do livro. 
   A presença desses diversos elementos, nunca deixando nada passar sem uma desenvolvimento digno, contribui imensamente para a leitura, e só ajuda a fazer de Por Lugares Incríveis um dos melhores livros que já tive o prazer de ler. O livro abordar uma tema tão profundo e tão triste, o do suicídio, e foi impossível, como eu já afirmei nessa resenha, não ficar profundamente comovida com a situação não apenas dos personagens, mas de toda e qualquer pessoa que esteja passando por uma dor tão dilacerante. 

"Não preciso me preocupar com o fato de Finch e eu não termos filmado nossas andanças. Tudo bem não termos recolhido lembranças nem tido tempo de organizar tudo de um jeito que fizesse sentido pra outra pessoa.
O que percebo agora é que o que importa não é o que a gente leva, mas o que a gente deixa."

   A edição do livro pela Editora Seguinte é linda e singelamente simples. Adorei a capa, e fiquei encantada com o quanto ela consegue representar a história de uma maneira muito bem pensada. A diagramação e espaçamento são bonitas e simples, e não me recordo de ter encontrado nenhum erro de grafia ou revisão em todo o livro, que possui 335 páginas. 
   Por Lugares Incríveis, é, por fim, um livro que, sem dúvidas, marcou minha vida. Foi uma história que quebrou meu coração e me tocou como poucas, tendo entrado, sem dúvidas, para minha lista de favoritos. Acredito que todos necessitam, ao menos uma vez na vida, ler uma história desse tipo, e com certeza lerei mais do trabalho dessa autora incrível que é Jennifer Niven. Recomendo o livro profundamente!

Primeiro parágrafo do livro:
"Será que hoje é um bom dia para morrer?"
Melhor quote:
"O problema das pessoas é que elas esquecem que na maior parte do tempo o que importa são as pequenas coisas. Todo mundo está tão ocupado no Lugar de Esperar."



7 Comentários

  1. Esse livro foi fantástico! Você lê a sinopse do livro e pensa: “Nossa! Que loucura.”
    E é isso mesmo, uma loucura, meio divertida, meio problemática, meio triste.
    Eu ainda tô com ele na cabeça e não consigo me desapegar. Estou tão ligada a ele que eu sempre me pego pensando nele e no “e se...”, “será que...”, “se eu fosse...” e “Por que?”
    Acho que esse livro vai ficar marcado na minha mente e coração.
    Adorei sua resenha ^_^ E esse livro tbm quebrou meu coração :'(

    ResponderExcluir
  2. Esse livro parece ser muito bom! Sem falar que começa com uma pergunta muito forte...
    "Será que hoje é um bom dia para morrer?"

    ResponderExcluir
  3. Comecei a ler a resenha porque achei a capa tão bonita e estava curiosa para saber sobre o quê o livro falava. Quando vi que era sobre “jovens suicidas” fiquei sem fôlego, afinal de contas, só quem tem um amigo ou parente que tentou dar fim a própria vida sabe do que estou falando.
    Esse não é um assunto que os livros tratam e sempre que li algo a respeito era sem sentimento, somente pessoas retratadas com um distúrbio psicológico e só… mas na minha opinião é algo que vai além disso. E eles precisam de bons amigos para serem salvos! Amigos que podem ser parentes, companheiros, amigos de verdade ou até mesmo um desconhecido que está lá para ao ouvir.
    Enfim, vi mais amigos tirarem suas vidas do que gostaria de contar e hoje um dos meus melhores amigos já tentou o suicídio várias vezes, então espero que este livro de alguma forma possa me ajudar a ajudá-lo.

    Parabéns pela resenha!

    Viviane Gonçalves
    vsg_caue@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Esse livro arrebentou meu coração </3

    ResponderExcluir
  5. Após ler sua resenha, fiquei com mais vontade de ler este livro. Sua escrita é brilhante e carregada de emoções. Meus parabéns por escrever tão bem. Espero escrever assim algum dia. Lerei esse livro logo, para poder ver se me sinto tão bem quanto você. Meus parabéns novamente. Seu blog já está salvo no meu navegador, pretendo ler mais textos seus.

    ResponderExcluir
  6. Acho que o livro trás esses temas ( Suicídio,depressão e etc) de uma forma mais real do que outros livros que eu li,quem foram mais mecânicos. Terminei o livro com o pensamento que este livro deve ser lido por várias outras pessoas e o quanto ele me tocou,me impressionou e me trouxe aquele sentimento de quando você termina,respira e pensa '' wow ''. Isso se completou principalmente depois que eu li a nota da autora,parecia que ela estava falando diretamente com você,o que me fez até chorar. ''Se você acha que algo está errado, fale.
    Você não está sozinho.
    Não é sua culpa.
    Existe ajuda para você.''

    ResponderExcluir
  7. Me apaixonei pela sua descrição. Esse livro parece ter uma atmosfera que nem a de Eleanor e Park. Já quero ler!!!!
    Beijão

    www.estranhoscomoeu.com

    ResponderExcluir

.